sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Em defesa dos animais

 Mahatma Ghandi: "A grandeza de uma nação e o seu progresso moral podem ser avaliados pela forma como são tratados os seus animais". (Mahatma Ghandi)

Neste vídeo, você verá a diferença gritante e cruel entre o tratamento e entendimento dispensado pelo nacional-socialismo e as formas "modernas" e aceitas como a democracia e o comunismo com relação aos animais. Sugere-se moderação para assistir:


As cenas a partir dos 8 minutos são de soldados russos comunistas que usavam cães com explosivos presos às costas e os atiçavam contra as tropas alemãs e os faziam explodir. Foram mais de 40.000 cães que os comunistas assim inútil e cruelmente sacrificaram.

O trágico também é aguentar gente dizendo que comunismo e nazismo são a mesma coisa. Nada mais errado, estúpido e politicamente correto.

Vejam as imagens chocantes e cruéis verídicas e sem edição, de um regime que hoje no Brasil e no mundo pode formar partidos políticos e concorrer nas eleições como se fossem bons mocinhos.

A questão não é defender regime A ou B, mas defender a verdade independente do regime ou fonte. Os que não gostarem, que continuem a se alimentar de mentiras. E bom apetite.

E quase 100 anos após as leis de proteção aos animais de Hitler, no "democrático" regime atual, o governador de São Paulo, o senhor Geraldo Alckmin,  criou finalmente, porém após protestos da parcela da sociedade e não por visão própria, uma lei proibindo o uso de animais em experimentos científicos ou pseudo-científicos para criação de cosméticos.
_______________________________________________________________
Proteção aos animais no Nacional-Socialismo

A política do regime nacional-socialista alemão atuava firmemente na preservação de todos seres vivos. Prova disso são as inúmeras resoluções aprovadas logo após a tomada de poder em 1933. Uma série de medidas legais asseguravam o tratamento mais humano aos animais, restringindo ao máximo qualquer experiência laboratorial dolorosa e desnecessária.

Leis de Proteção ao Meio-Ambiente: “Foi Hitler que fez!”

Adolf Hitler, diziam, amava sua cadela Blondi. Hermann Göring não tinha nada mais urgente a fazer, quando logo em 1933 redigiu um decreto contra a vivisseção em animais.

Göring escreveu: “Para as pessoas alemãs, os animais não são apenas seres vivos no sentido orgânico, mas criaturas que possuem sentimentos próprios, que sentem dor, alegria, lealdade e dependência.”

Sendo apenas uma entre as incansáveis defensoras dos animais, a advogada vegetariana Sylvia Stolz não pode mais atuar em defesa desta nobre causa, pois se encontra detida em alguma prisão alemã. Ela foi presa simplesmente por expressar sua opinião sobre um determinado episódio da história: o Holocausto. Não resistindo às argumentações dos pesquisadores e seus laudos técnicos, este evento histórico deve ser protegido pela força da lei e elevado à situação de dogma religioso. Quem não acreditar que ele aconteceu da forma como certos grupos de interesse assim desejam, este tem que enfrentar o novo Santo Ofício de Sião (não confundir com SOS) e sua nova bula “Malleus Holoficarum”– NR.

Ele se colocou contra disponibilizar os animais para que lhe retirassem ainda vivos o coração, esmagassem o crânio ou cortassem as genitálias, somente “para observar como os órgãos trabalham e quais conseqüências acontecem após a perda dos mesmos.”

              
                          Hitler e sua cadela Blondi

O historiador Daniel Heintz apresentou em outubro de 2008 seu novo livro envolvendo a proteção aos animais no Terceiro Reich: “Proteção aos animais no Nacional-Socialismo – Idealismo moral em contraposição à ‘tirania desumana’?” [1] esta contraposição é sustentada na maioria das publicações sobre o tema. Em seu livro, pela primeira vez o tema proteção aos animais é apresentado de forma abrangente, objetiva e sobre bases científicas. Foi mostrado que a ligação entre proteção aos animais e a cosmovisão nacional-socialista era profunda e lógica em si. Com isso o livro retira este tema da polarização entre o alto valor ético da proteção aos animais e, por outro lado dentro do politicamente correto da atualidade, a demonização desta época da história alemã, e o analisa tecnicamente inserido no contexto dos fundamentos e dia-a-dia da Alemanha nacional-socialista.

Dr. Krochmalnik, docente na Faculdade judaica em Heidelberg, disse a respeito da proteção aos animais no Terceiro Reich: “Os ‘nazistas’ introduziram logo após a tomada de poder uma legislação exemplar para proteção aos animais.”

Os nacional-socialistas aprovaram leis de proteção aos animais e à natureza. Hitler era um adversário dos experimentos em animais, além de ser vegetariano. O Reichsbauernführer Walther Darré cuidou pessoalmente para que o Führer sempre recebesse legumes orgânicos frescos. Lina Hähnle assegurou a Hitler, manter “sua mão protetora sobre os arbustos” e se engajar na “maior proteção às aves”. Himmler louvou em um discurso os antigos germânicos, os quais “eram cientes da ordem divina de todo o reino vegetal e animal.” Ele falou sobre os direitos dos camundongos e ratazanas e alertou quanto a fazer escárnio sobre tal ponto de vista. “Seria melhor”, achava ele, “nós, pessoas piedosas, curvarmos nosso corpo diante da profundidade e imensidão desta cosmovisão.”

Himmler era muito sensível para a manutenção de outras formas de vida, ele dizia: “Me interessou sobremaneira ouvir a novidade, que os monges budistas, quando eles vão à noite à floresta, carregam ainda hoje junto de si um sininho para avisar os animais da floresta, evitando que eles sejam pisoteados e com isso não lhes provoquem qualquer dano. Entre nós, entretanto, qualquer caramujo é pisoteado, qualquer verme é esmagado.”

O SS-Führer é considerado por alguns historiadores como a “asa verde” da direção do NSDAP, assim como Darré, Rudolf Hess, Fritz Todt e Alwin Seifert. Eles almejavam a energia renovável, métodos de cura alternativos e uma atividade agrária orgânica. Muitos deles nutriam simpatia pelo ensino de Steiner. Himmler permitiu que a SS conduzisse chácaras para testes biológicos dinâmicos, entre outros no Campo de Concentração de Dachau. Göring providenciou após a tomada de poder em 1933 que um decreto para proteção aos animais fosse logo aprovado, e dois anos depois uma Lei de proteção ao Meio-Ambiente. Ambos foram incorporados em quase sua totalidade pela República Federal da Alemanha e valerem por muito tempo como referência. Adolf Hitler aprovou até uma lei contra a manutenção de peixes em aquários pequenos. A 24 de novembro de 1933, foi aprovada a primeira lei alemã de proteção aos animais. Em seu primeiro parágrafo, seção I, temos:

“É proibido torturar desnecessariamente um animal ou maltratá-lo sem preparativos. Tortura um animal aquele que provoca nele fortes dores ou sofrimentos duradouros ou repetitivos, desnecessário é a tortura quando ela não atende um motivo justo.”

Seguindo esta premissa, outras leis para “manutenção, acomodação e sustentabilidade” são regulamentadas; também existem condições específicas para criação e principalmente para experimentos com animais.

As associações para proteção aos animais aprovaram esta política. A associação do Reich para proteção às aves, precursora da atual NABU, foi recompensada com uma posição monopolista (outras associações de proteção às aves aderiram a ela), e que acarretou o aumento do faturamento de 45.000 Reichsmark (1932) para 85.000 Reichsmark (1941/1942). A associação Naturschutz in Bayern (organização central que depois deu origem ao B.U.N.D.) ressaltou em 1933: “Nenhum período foi tão propício ao nosso trabalho quanto ao atual sob a bandeira da suástica do governo nacional.” 

“Quem tortura um animal é desalmado, pois falta nele o espírito de Deus.” – Goethe

[1] Nota da redação: Esta pergunta é um absurdo. Não existe qualquer contradição com alguma “tirania desumana”, quando partimos do princípio que os nacional-socialistas respeitavam todos os tipos (raças) de vida. Muito mais devemos reconhecer no respeito que tinham diante dos animais, como prova de suas intenções futuras. A luta era para proteção da própria raça. Todas as histórias macabras inventadas pelo nosso inimigo a respeito de nós, alemães, passam com isso a não ter mais sustentação. O vegetARIANO se recorda da alimentação livre de alimento animal dos “Lichtmenschen” de Atlântida. O crime mais repugnante é o “sangramento de animais e pessoas” e nunca foi praticado pelos arianos.

Unglaublichkeiten.com

Fonte : http://inacreditavel.com.br/wp/protecao-aos-animais-no-nacional-socialismo/

Veja também Hitler em fotos “ilegais”:
http://anonym.to?http://desatracado.blogspot.com.br/2013/11/um-homem-com-seu-cachorro.html

Leis antitabagismo plagiadas :
http://anonym.to?http://desatracado.blogspot.com.br/2013/11/nova-york-comemora-10-anos-da.html

Algo sobre o “racismo” do período:
http://anonym.to?http://desatracado.blogspot.com.br/2013/12/memorial-nazista-para-jesse-owens.html

Veja também: http://desatracado.blogspot.com.br/2013/11/um-homem-com-seu-cachorro.html

Abraços

7 comentários:

  1. Leonardo da Vinci disse: "Chegará o tempo em que qualquer crime contra os animais será um crime contra a humanidade."

    E tanto falam contra Hitler: que tinha acessos coléricos de se jogar no chão, morder tapetes, vivia a base de remédios, falava aos gritos, surtos psicóticos,...

    Voce já leu este post sobre a opinião de León Degrelle?

    http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2012/01/mais-polemica.html

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Morder tapetes" ? rsrs

      Vou ver sua postagem.

      Abraços

      Excluir
  2. Queridos amigos,

    Por fabor me expliquem, como é que Hitler com todos os meios que tinha, uma força aérea poderosíssima, o melhor serviço secreto da Europa e talvez do mundo, todo o seu exército e não acertou nem em um,,, unzinho que fosse, dos Rothschild. Quando me explicarem isto, eu passo a dar um desconto ao Hitler no seu falhanço total em combater a Nova Ordem Judia Ashkenazi. Isto já que não me querem explicar porque colocou em prática a teoria de dois judeus, Bernays e Freud, levando ao rubro a "lavagem" cerebral de todo um povo, baseada na descoberta de comportamentos humanos, através de uma máquina monumental, ou seja, através do Ministério da Propaganda.
    Querem explicar isto, por favor?
    Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Explicar é impossível, minha querida. Apenas opinarei:

      - Para mim, Hitler não queria a guerra; não queria dominar o mundo; não queria matar ninguém que não fizesse muito por merecer. Apesar dos Rothschilds merecerem ser abatidos pelo câncer que se mostram ser há tanto tempo, Hitler não visava caçá-los, torná-los alvos, etc. Não se importava com coisas assim. Ele apenas queria o país que ele adotou e seu povo;

      2- Hitler percebeu que a propaganda tanto é a alma quanto a arma do negócio. Foi descoberto recentemente fotos dele ensaiando gestos, poses e expressões junto com frases para quando fosse discursar no início dos anos de 1930. Ele sabia que precisava convencer as pessoas de que ele era capaz de executar o que dizia. Mas é a 3ª Lei de Newton.

      É meio que um pouco de mais ou menos isso.
      Beijo.

      Excluir
  3. "Quando partimos para a Rússia, nem um único judeu que encontramos havia sido detido por ser judeu, em nenhum país do ocidente. Os judeus ricos haviam tido tempo de sobra para sair. Que o diga, os Rotschild não pereceram em Buchenwald, Dachau ou Auschwitz!", fonte : http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2012/01/mais-polemica.html

    Sobre ser o "melhor serviço secreto da Europa e talvez do mundo", creio ser exagerado, pois que não detectaram os 5 atentados que sofreu (http://www.historiadigital.org/curiosidades/5-atentados-frustrados-contra-adolf-hitler/)

    Só não entendo o que uma "força aérea poderosíssima" tem a ver com isso.

    Sobre a teoria dos 2 judeus, Hitler era um grande estudioso com prodigiosa memória e capacidade estratégica. Lia muito e de tudo praticamente. Como afirmar com segurança que se baseou na teoria dos 2 citados ?

    Sobre a "máquina monumental, ou seja, através do Ministério da Propaganda", existe um exagero indevido e uma troca de realidades.

    Abraços, cara Fada e Guerreira dos Bosques.

    ResponderExcluir
  4. Aqui temos, até o Hitler conseguia respeitar os animais, por isso não há desculpa para o sofrimento todo que o homem faz passar aos animais.
    Vê-se cada besta dizendo cada coisa nas redes sociais, por isso eu cá não tenho pena nenhuma do que o Hitler fez á raça humana, apenas dizimou mais uma carrada de F.... da P.... da terra que vinham fazer mal aos animais por isso digo EU TE AMO HITLER!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cenas fortes.

      Abate cruel judaico do Shchitá. Dois minutos depois do pobre animal ter meio pescoço cortado, ainda grita pela vida e de dor.
      https://www.youtube.com/watch?v=lIDhJ-NSnIs

      Outras cenas crueis de abate religioso judaico kosher. Hitler proibiu durante seu governo por considerar corretamente selvagem. Atualmente a Polônia tbm o proibe.
      https://www.youtube.com/watch?v=M16R82lE3MA

      Aqui um menino judeu levando um animal para sacrificar, mas foram impedidos.
      https://www.youtube.com/watch?v=SWNCdKn1bbs

      Abraços

      Excluir

"Numa época de mentiras universais, dizer a verdade é um ato revolucionário."
George Orwell

"Até que os leões tenham seus próprios historiadores, as histórias de caçadas continuarão glorificando o caçador."
Eduardo Galeano

Desejando, expresse o seu pensamento do assunto exposto no artigo.
Agressões, baixarias, trolls, haters e spam não serão publicados.

Seus comentários poderão levar algum tempo para aparecer e não serão necessariamente respondidos pelo blog.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste blog.

Agradecido pela compreensão e visita.