quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

A inconsistência de se afirmar "valores judaico-cristãos"

Tópicos judaicos: a inconsonância dos valores judaico-cristãos

     Resultado de imagem para david star is devil

A Lei judaica requer que os cristãos sejam executados.

Os “estudiosos da Torah” de Israel determinaram que: “a Torah sustenta que o direito de todas as nações tem lugar no mundo vindouro. Mas nem todas as religiões gentias conseguem vida eterna pela virtude da observação de sua religião ... E enquanto os cristãos geralmente aceitam a bíblia hebraica tão verdadeiramente de Deus, muitos deles (aqueles que aceitam a assim-chamada divindade de Jesus) são idólatras de acordo com a Torah, puníveis pela morte e certamente não gozarão o mundo vindouro.”

Relato do Israeli Mechon-Mamre Torah Scholars, conforme exposto no seu website em http://www.mechon-mamre.org/jewfaq/gentiles.htm em 26 de Junho de 2000; 12 Hayylm Vital St., Jerusalém (Mechon Mamre é um pequeno grupo de estudiosos da Torah em Israel)

Tem sido entendido que nós não estamos concordando com o Noé da Bíblia quando a religião do judaísmo se refere às “leis de Noé”, mas a lei de Noé como entendida e interpretada pelo absoluto sistema de falsificação que constitui o Talmud.

Sob as falsificadas Leis de Noé do Talmud, a adoração de Jesus é proibida sob pena de morte, posto que tal adoração de Cristo é condenada pelo judaísmo como idolatria. Enquanto isso, várias formas de incesto são permitidas sob a compreensão do código de Noé talmúdico.

O movimento para fundir judaísmo e cristianismo é alinhado com a sede de quebrar todas as barreiras entre religiões. Isso está acontecendo rapidamente conforme o Governo Mundial Único procura uma “paz” falsificada. Há uma insistência que todas as guerras são realmente causadas pelas religiões sendo separatistas, fanáticas, que não desejam aceitar a “verdade” que está em todos os credos na terra. Os internacionalistas da Nova Era estão muito satisfeitos com o potencial colapso do Cristianismo no interior do judaico-cristianismo, conforme isso enfraqueça o poder do Cristianismo e funde dois sistemas de crenças religiosas. O sistema do anticristo que nós estamos vendo ser formado diante de nossos olhos assustados, agora, sob a Nova Ordem Mundial, quer que a nação escolhida por Deus seja um talismã da NOM.

Para os cristãos, a essência do ser humano é a alma, para os judeus é o corpo. Por conseguinte, sua adoração de sua própria raça como o tipo de Deus.

A antropologia rabínica difere nesse respeito da antropologia cristã. Não há uma oposição metafísica entre corpo e alma.

O judaísmo celebra o corpo a um tal perímetro sórdido que há até mesmo uma reza para a defecação que todo judeu macho é mandado recitar toda vez que ele se alivia: “Bendito és tu Senhor ... que faz o homem em seus orifícios e buracos”.

Tudo a respeito do judaísmo é distorção ou falsificação do Velho Testamento porque o judaísmo é baseado na tradição feita pelo homem que esvazia o Velho Testamento por significar uma série de dispensas e escapatórias.

Isso começa com o Mishnah, que representa o comprometimento com a escrita das lendas ocultas e doutrinas desses israelitas que preservaram “conhecimento secreto” que surgiram com a adoração do bezerro dourado, de Moloch e abominações similares.

Gematria

O processo primário para a exegese cabalística da Bíblia é conhecido como Gematria, um sistema babilônico de criptografia envolvendo o uso de letras para significar números. O primeiro uso registrado da Gematria ocorre em uma inscrição de Sargon II (727-707 A.C.).

A Gematria é uma forma de numerologia segundo a qual o alfabeto hebraico é determinado por valores numéricos. Há uma multidão de várias trocas e sistemas para chegar na correta correspondência da letra/palavra. Uma autoridade descreve esse complexo esotérico judaico assim:

“Na gematria ketanah, o valor de cada letra é seu valor na gematria primária com quaisquer zeros finais removidos. Portanto há a gematria clássica envolvendo a escrita fora do nome de cada letra e calculando o total dela. Para o total de uma palavra é permitido acrescentar uma outra, conhecido como o kollel. Três transformações também são usadas: o Atbash em que as primeiras e últimas letras, a próxima e a próxima por último, e assim em diante, são trocadas; o Albam, que divide o alfabeto em duas partes que as letras são trocadas; e o Ayak-Bachar, que é apresentado pela divisão das letras em grupos de forma que as letras de cada tenham a mesma gematria ketanah”

A palavra “judeu” é uma forma corrompida da palavra Judah. É uma referência às duas das 12 tribos de Israel, Judah e Benjamin, e nem mesmo aparece na Bíblia até II Rs 16, 6 e então novamente em 25, 25 e II Cro 32, 18.

Uma outra importante opinião é dos cabalistas práticos. Eles escrevem que Teli é na realidade um lugar sob o firmamento de Vilon, e que é habitado por seres humanóides, que se deportam em santidade e pureza como anjos. Os mistérios divinos são revelados a esses seres, e eles têm a autoridade de revelar essas coisas a humanos mortais. Métodos são dados por meio dos quais esses seres podem ser contactados.

O Midrash conta ao leitor que Ham sodomizou um cachorro a bordo da arca de Noé! (Midrash Rabbah 1:292-293)

A história do Rabbi Zolli tem sido ofuscada pelo establishment que procura pichar Pio XII com o estigma nazi. Como Rabbi Chefe de Roma durante a 2ª GM, Zolli era capaz de julgar as ações de Pio XII sob a ocupação nazi em primeira mão. Tão impressionante foi esse rabbi com os esforços de resgate do papa em benefício da população judaica italiana que Rabbi Zolli se converteu ao catolicismo.

Originalmente pagã, a estrela de seis pontas [hexagrama], tem sido usada na adoração de Baal desde os primeiros dias mais remotos. Censurada em Amós 5:26, se tornou conhecida como o Selo de Salomão depois que Salomão se casou com a filha do faraó, construiu um altar para Astarte e ingressou na adoração a Baal. Desde então, a convenção tem continuado em rituais salomônicos na franco-maçonaria. Usada bastante na magia e feitiçaria, a estrela de seis pontas tem sido usada como símbolo chefe da adoração a Moloch em rituais de sacrifícios humanos pelo fogo. Usada pelos druidas e astrólogos, a estrela de seis pontas tem sido usada consistentemente nas artes ocultas.

        Resultado de imagem para baphomet hexagrama
"Antes tomastes o tabernáculo de Moloque,E a estrela do vosso deus Renfã, figuras que vós fizestes para as adorar.Transportar-vos-ei, pois, para além da Babilônia."
Atos 7: 43

De forma interessante, esse hexagrama:

“... certamente tem três seis, ele contém um seis dentro de um seis, dentro de um seis: 666  conte os lados de cada triângulo encarando a direção no sentido horário, os lados encarando a direção contrária ao sentido horário, e o terceiro seis – os lados do hexágono interno.”

Fonte: https://judaismoemaconaria.blogspot.com.br/2006/03/tpicos-judaicos.html

"Mas é judeu o que o é no interior, e circuncisão a que é do coração, no Espírito, não na letra; cujo louvor não provém dos homens, mas de Deus."
Romanos 2: 29

Abraços

terça-feira, 29 de novembro de 2016

ISIS, outro biombo de Israel

Terroristas "islâmicos" sob ordens de rabinos

        Resultado de imagem para "Israeli Secret Intelligence Service".

Por que não se admirar que os terroristas "islâmicos" do falsificado Israel estejam decapitando as pessoas? O Talmud determina que as violações de qualquer artigo das "leis de Noé" seja punida com execução por decapitação.

Capcioso como um camaleão, o rabino Lord Jonathan Sacks está lamentando que os Cristãos estão sendo aterrorizados e decapitados pelo exército terrorista "islâmico" do Israel falsificado. Mas entre eles, o rabino Sacks admite que o Chabad Lubavitch Rebbe Menachem Schneerson é seu "sistema de navegação por satélite". Sacks admite que é um agente na campanha das "leis de Noé" do Chabad, uma campanha a partir da qual os Cristãos seriam punidos pela sua "idolatria" por decapitação, e, realmente, toda pessoa não-Judaica seria decapitada por violar quaisquer das 'leis de Noé'.

Gente, vocês são ingênuos o suficiente para ficarem aterrorizados pelos decapitadores 'islâmicos' do Israel falsificado nas armas dos decapitadores rabínicos?


Fonte: http://mauricepinay.blogspot.com.br/2014/08/counterfeit-israels-islamic-terrorist.html

Fonte: https://judaismoemaconaria.blogspot.com.br/2014/10/terroristas-islamicos-sob-ordens-de.html

Em entrevista concedida ao canal de TV C-Span em 05 de agosto de 1990 (!), autores de livro admitem que Israel através do Mossad criaram o "ISIS" e que as iniciais na verdade significam "Israeli Secret Intelligence Service".


Ainda, de acordo com a descrição do vídeo, "o 'ISIS' não foi criado pelo Iraque em 2006 ou mesmo na Síria que hoje chamamos de 'ISIL', isso é apenas o que a grande mídia vai relatar e quer que você acredite."

Resultado de imagem para "Israeli Secret Intelligence Service".

Abraços

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Espiritualidade ou preconceito?

Judeu não quer contato com as pestilentas
Janer Cristaldo

Imagem relacionada

Quando me mudei para Higienópolis – Hidischienópolis, para alguns – certos costumes e rituais do bairro me soaram bastante estranhos. Aos sábados, quando chovia, senhores e senhoras elegantes se cobrem com capinhas vagabundas de plástico, dessas que se compra a cinco reais nas bancas de revista. Casais nunca se dão as mãos. Em um determinado dia do ano, homens engravatados e bem postos não usam sapatos, apenas tênis.

Aos poucos, comecei a descobrir as firulas da ortodoxia judaica. Usam capas no sábado, porque no sábado um judeu não pode portar um guarda-chuva. A rigor, não pode nem apertar um botão de elevador. O que faz com que apartamentos de primeiro andar sejam muito valorizados. Há inclusive no bairro um prédio com um elevador casher: aos sábados, ele pára em todos os andares sem que nenhum botão precise ser acionado.

Em 2006, escrevi sobre o assunto, o que rendeu longa polêmica. O artigo era abrangente e se reportava aos preceitos do santo homem Maimônides. Através de um porta-voz, tive a suprema honra de ser respondido pelos rabinos do Colel Iavne:

"Atacar os judeus se utilizando da sua religião, costumes, vestimentas e retirando do contexto afirmações bíblicas não é novidade. O recurso foi usado infinitas vezes por antissemitas ao longo da história da jornada judaica neste planeta. Janer Cristaldo, ao repetir o ato em seu artigo publicado no Mídia Sem Máscara, e intitulado, "Sobre Maimônides" sequer foi original. De todo modo, merece uma resposta, o que fazemos a seguir. Este artigo foi escrito com a colaboração inestimável das seguintes pessoas: Rav. Avraham Zajac, André Cardon, Sérgio Kalmus, Marcella Becker e sob consulta e aconselhamento de rabinos do Colel Iavne".

A bem da verdade, eu não atacava os judeus. Apenas falava de seus hábitos e transcrevia alguns preceitos de Maimônides, de seu livro Os 613 Mandamentos. (Ou você pensava que eram apenas dez?). Preceitos que aliás nem são do bom rabino, mas da Torá. Me atenho agora a apenas um dos itens da polêmica, a impureza das mulheres.

Escreviam então meus contestadores: “O articulista critica os judeus por não apertarem botões aos sábados, e por andarem de capas de chuva “vagabundas”, ao invés de guarda-chuvas. Se sente incomodado por eles não darem mãos a mulheres em público e por andarem de tênis no dia mais santo judaico, o Dia do Perdão, o Yom Kipur”. (...) “Agora são apontados e menosprezados por usarem ‘capas de chuva vagabundas’ e ‘tênis em lugar de sapato’”.

Ora, em momento algum critiquei os judeus por não apertarem botões nem declarei sentir-me incomodado por não darem as mãos às suas mulheres. Em momento algum menosprezei alguém por usar capas de chuva ou tênis. Tênis é calçado que uso quase diariamente. Como cidadão do Ocidente, apenas manifestei minha estranheza em relação a tais comportamentos (por exemplo, usar tênis com terno e gravata), e nada mais que isso. Considerei-os obsoletos, e não me parece que considerar obsoletas determinadas práticas possa constituir anti-semitismo. Continuavam meus interlocutores:

“Um homem, mesmo tendo 100% de certeza de que uma mulher não está menstruada e ainda que seja sua esposa; mesmo assim, pelas leis mais estritas judaicas, não pode cumprimentá-la em público. E porque? (sic!) Por questão de recato. Para preservar carinhos e troca de afagos para os momentos íntimos e particulares com a sua amada”.

Imagem relacionada

De minha parte, não vejo nenhuma falta ao recato em dar a mão a uma mulher. Assim fosse, todos os cristãos deste país seriam despudorados irremediáveis. Meus interlocutores parecem não ter lido a Torá. Lá está, em Levítico 15:19-24:

“E mulher, quando tiver fluxo, e o fluxo da sua carne for de cor sangüínea, sete dias ficará separada na sua impureza; e todo aquele que tocar nela será impuro até a tarde. E tudo sobre o que se deitar na sua impureza será impuro, e tudo sobre o que ela se sentar será impuro. E todo que tocar no seu leito, lavará suas vestes, se banhará em água e será impuro até a tarde. E quem tocar sobre o leito ou sobre o objeto em que ela está sentada, tocando neles, será impuro até a tarde. E se um homem deitar com ela, a sua impureza passará sobre ele, e ficará impuro sete dias; e toda cama em que ele se deitar, se fará impura”. Ora, para mim, cidadão ocidental e vivendo neste século, soa muito estranho considerar impura uma mulher em seus dias de menstruação.

Uma colega da Folha de São Paulo, que morava no bairro, por bom tempo dedicou-se a fazer terrorismo com os rabinos. Esbarrava neles e se desculpava: “Desculpe, foi sem querer. É que estou nervosa, estou menstruadíssima”. O coitado do rabino se esfregava desesperado, como se quisesse exorcizar a lepra.

Está rolando nas redes sociais uma curiosa foto de um judeu ortodoxo em um avião, encapsulado dentro de uma capa de plástico, publicada pelo Huffington Post. Há relatos de que a companhia aérea El Al tem notado um aumento no número de judeus ultra-ortodoxos que pedem para trocar de lugar nos vôos, para evitar ficar sentado ao lado das pestilentas. Uma mulher já processou a companhia aérea por tê-la deslocado a parte traseira de um avião, depois que ultra-ortodoxos se recusaram a sentar-se ao lado dela.

Internautas foram rápidos em apontar que a explicação pode não ser totalmente correta. "Isso não tem nada a ver com as mulheres," – escreveu um usuário. "Ele é um Cohen, descendente dos sacerdotes sagrados do templo e não estão autorizados a entrar ou voar sobre um cemitério, que os torna impuros”.

O cemitério, no caso, estaria situado em Holon, área metropolitana de Tel-Aviv. Em 2001, a El Al Airlines decidiu não permitir que judeus ultra-ortodoxos se revistam hermeticamente em sacos de plástico quando voando sobre o cemitério de Holon, a fim de evitar a impureza ritual. Segundo a empresa, considerações de segurança de vôo não permitem passageiros a bordo cobertos por sacos plásticos fechados.

Dados os precedentes, tendo a crer que Cohen queria mesmo era evitar o contato com as pestilentas

Fonte: https://judaismoemaconaria.blogspot.com.br/2013/04/judeu-nao-quer-contato-com-as.html

Abraços

domingo, 13 de novembro de 2016

Como a Lava Jato estagnou o Brasil

Você já se perguntou qual foi o efeito da Lava Jato na sua vida?

Assista ao documentário. Sua opinião sobre a operação que sacudiu o Brasil nunca mais será mais a mesma.


Lembrando que a Maçonaria dá apoio irrestrito a Operação Lava Jato e ...

          

... ao governo interino golpista do maçom Michel Temer.

          
Presidente interino Michel Temer com a Maçonaria Simbólica do Brasil (CMSB) no Palácio do Planalto.

Fonte:
http://faizakhalida.blogspot.com.br/2016/05/a-maconaria-no-poder-com-michel-temer-o.html

Só não vê quem  não quer ...

   

Estado, a imagem acima é bem ilustrativa, faltando apenas o esquadro e o compasso maçom.

A mente coxinha não abarca tanta História e tanta informação, chamará de teoria da conspiração. Mas o resumo é esse mesmo, e muito bem ilustrado.

Quem conhece a criação da Rede Globo, quem já reparou que só passam filme americano, que só conhecemos cantores americanos, e compras em Nova York e turismo em Miami e Disney ... pode entender mesmo sem conhecer nada de História.

          

Abraços

domingo, 6 de novembro de 2016

Tirando o avental

Maçonaria - sociedade satânica

         Resultado de imagem para COPIN-ALBANCELLI. Le pouvoir occulte.

Leiamos COPIN-ALBANCELLI. Le pouvoir occulte. Paris, Ed. Renaissance Française, 1908. pp. 291-292:

"Certas sociedades maçonicas são satanicas... seus iniciados professam o culto de Lucifer. Adoram a este como verdadeiro deus e se enchem de odio implacavel contra o Deus cristão, que declaram impostor"

D. José Maria Caro é explicito no seu livro Mistério!, pág. 178:

"Nas lendas maçônicas de certos graus, se costuma dizer que a Maçonaria descende por Caim, filho de Eva, de Iblis, o anjo de luz maçônico, isto é, o Lúcifer dos cristãos, e, portanto, segundo eles, vem do mesmo Satanás que, para eles, é o deus bom, o eterno inimigo de YHWH, Deus da Bíblia..."

Essa monstruosidade está comprovada por dois documentos da própria Maçonaria, absolutamente autênticos.  O primeiro é a PRANCHA dirigida pelo Grão-Mestre de Charleston, General Albert Pike, às lojas paladicas ou de retaguarda da Europa:

"A vós, soberanos grandes inspetores gerais, graus 33, dizemos para que o repitais aos irmãos dos graus 32, 31 e 30 somente: a religião maçônica deve ser, para nós todos, os iniciados dos altos graus, mantida na pureza da doutrina luciferiana."

O segundo é um trecho do discurso do irmão 33, Inacio Sinigagliesi, na Primeira Federação Maçônica de Palermo:

"Satã, que os padres venceram pela astucia, pela calunia e pela velhacada, é o criador da obra de igualdade, inteligencia, civilização e progresso!"

Fonte: MARGIOTTA, Domenico. Le Palladisme. Grenoble, Ed. H. Falque, 1895, com a benção do santo padre Leão XIII.

O autor documenta exaustivamente, nas págs. 13 e segs., a existência duma Maçonaria superior, ignorada do comum dos maçons, e afirma:

"O culto que se rende a Satã, representado pelo Bafomet, nas lojas de retaguarda é vergonhoso!"

Domenico Margiotta pertenceu a essa Maçonaria satânica, convertendo-se depois ao Catolicismo e abjurando seu triste passado.

Fonte: https://judaismoemaconaria.blogspot.com.br/2005/11/maonaria-sociedade-satnica.html

Abraços

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

A viúva da Cabala

SIGNIFICADO JUDAICO DO MITO DE HIRAM

Resultado de imagem para WIDOW freemasonry hiram

Excerto extraído do capítulo VIII do Livro Quinto de “Simbolismo da Maçonaria”, Mons. Meurin, págs. 34 – 36; SJ. Ed. NOS – Madri, Espanha, 1957.

O presente texto resume admiravelmente a dependência do fabulário maçônico em relação à Kabbala judaica. Prova inequivocadamente que a seita infame dos “Filhos da Viúva” não é nada mais que uma invenção da judiaria para tapear os Goyim (não-judeus).

Como é sabido o “Drama de Hiram Abi” é a base da Maçonaria. É a invenção em que se baseia e pantomima feita para conceder o grau terceiro, de “Mestre” e ao redor da qual todos os demais graus giram.

“Nos capítulos precedentes restava sempre certo número de símbolos maçônicos mais ou menos inaplicáveis. Neste, tudo quanto representa um papel na Maçonaria e sua lenda se aplica à judiaria com uma facilidade assombrosa. Na realidade, tudo quanto existe na Maçonaria é profunda, exclusiva, apaixonadamente judaico desde o princípio até o fim”.

“Que interesse podem ter as demais nações em reconstruir o Templo de Salomão? O que fazem por elas mesmas ou pelos judeus? São estas nações ou os judeus que obterão disso algum benefício? Que vantagens representam para elas devorarem-se umas às outras afim de que triunfem em todo o mundo os “Príncipes de Jerusalém” (grau 16), “Chefes do Tabernáculo” (grau 23) ou “Príncipes do Tabernáculo” (grau 24)? Se puserem de acordo todas as nações para “servir de escabelo aos pés dos judeus”? Por que pois se apressam a colocar a Coroa (Kether) em sua cabeça e o Reino (Malkhuth) sob seus pés?”

“É tão evidente que a Maçonaria nada mais é que uma ferramenta nas mãos dos judeus, que são os que a manejam, que a gente se sente tentado a crer que os maçons não-judeus perdem a inteligência e a faculdade de raciocínio no mesmo dia em que pela primeira vez lhe vendam os olhos”.

“Ao falar dos judeus não nos referimos por nem um momento aos ortodoxos de antes de Cristo. Aqueles se converteram ao ver cumprirem-se em Jesus, o Filho de Davi, e na Virgem Maria todas as profecias, tipos e símbolos messiânicos do Antigo Testamento. Falamos dos judeus heréticos, e da seita kabbalista, talmúdica e farisaica cujas origens remontam os tempos do cativeiro da Babilônia e cujas ramagens tenazes chegaram a nossos dias e constituem o que se chama ‘a Sinagoga decaída’”.

“Hiram é a personificação do povo judeu e de tal sinagoga. É a sinagoga que constrói seu templo nacional, sob a figura do Templo de Salomão, sendo esse o representante do Rei de Judá chamado hoje Príncipe do Exílio ou ‘Exilarca’. Enquanto Sadoc representa na lenda de Hiram o Sumo Sacerdote, hoje chamado o ‘Patriarca’”.

“Os três inimigos que matam Hiram e interrompem a construção do Templo são a Igreja Cristã, o estado Cristão e a Família Cristã. Os três salvadores são a Kabbala, os Templários e a Maçonaria. A ‘Viúva’ é a Sinagoga e os ‘filhos da viúva’ os filhos de Israel dispersos por todo o mundo e os filiados às lojas. O ‘Homem’ por excelência é o judeu; a Humanidade, a judiaria e os ‘irmãos’ maçons”.

“A perseguição de Hiram que terminou em sua morte simboliza a preparação do reinado de Jesus Cristo, que se cumpriu pelo estabelecimento da Igreja após a queda da Sinagoga. A procura do corpo de Hiram representa os esforços dos judeus para abater a Igreja e restabelecer a Sinagoga decaída, a sinagoga kabbalístico-talmúdica. A descoberta do corpo de Hiram visa prefigurar o restabelecimento do poder judaico, o ‘Kether – Malkhuth’ de Esther e Mordechai. A morte atroz a que foram condenados os assassinos de Hiram representa o castigo reservado aos reis cristãos, ao clero católico e à nobreza das nações cristãs ou, numa palavra, a extinção do Cristianismo pelo ferro e o fogo”.

“Salomão significa aqui certamente o Rei de Israel, mas o rei ortodoxo; a Sinagoga extinta necessita de um rei cabalístico. Isto explica tudo quanto se diz na lenda de Hiram; sobre sua participação no assassinato deste e sua conversão final ao culto de Moloch, o Deus – Fogo”.

“Balkis, a Rainha de Sabbath, é o povo a quem Salomão oferece seu amor, mas, que no final, se alia a Hiram. Os operários mestres, companheiros e aprendizes comandados por Hiram e capazes de compreender seus gestos cabalísticos são os maçons, seguidos pelo populacho sempre pronto a agir sob seu impulso e direção. A reprimenda que Balkis faz a Salomão por ter arrancado a vinha plantada por Noé, assim como a predição da infame crucificação do ‘último príncipe de sua raça’ são de caráter eminentemente judaico”.

“O templo é o reino universal dos judeus, estendendo-se de Leste a Oeste e de Norte a Sul, sob a abóbada do firmamento. As doze colunas são as doze tribos de Israel: as colunas J e B já não são Jakin e Boaz, mas Judah e Benyamin, as duas tribos fiéis. Enquanto que as dez tribos perdidas são representadas pelas outras dez colunas”.

“O cordão com doze nós que entrelaça as doze colunas e começa na borda da coluna de Judah e termina na da coluna de Benyamin; mais as pinhas, são emblemas de fecundidade dos filhos de Israel. A câmara do centro e a árvore do centro, significam a sinagoga suprema, ou os chefes de Israel sob a presidência do Exilarca”.

“As ferramentas maçônicas – martelo, compasso, esquadro, etc, simbolizam a ação multiforme da Sinagoga para chegar a seu fim, ‘o Kether - Malkhuth’”.

“A história dos judeus propriamente dita está representada no grau quinze – ‘Cavaleiro do Oriente ou da Espada’ por Ciro, que concedeu a liberdade aos cativos e deu permissão a Zorobabel, que tinha então por volta de setenta anos, para reconstruir o templo. No grau dezesseis, ‘Príncipe de Jerusalém’, por Dario que ordenou aos Samaritanos que se submetessem aos israelitas; e no grau dezessete, Cavaleiro de Oriente ou de Ocidente’ , pelos judeus que se unem aos gnósticos, joanistas e templários”.

“No grau dezoito, o de “Rosacruz”, os mesmos celebram o Pesach (Páscoa) judaica, zombando da cristã e debochando da paixão de Jesus Cristo. É aqui que o ódio inexaurível do judeu se permite todos os sacrilégios possíveis contra o Divino Salvador”.

“Nos graus seguintes se esboça em largos traços o reino desejado da judiaria, sob a forma de uma Jerusalém celeste com seu Sumo Pontífice (grau dezenove), Grão Patriarca (grau 20), seu Chefe do Tabernáculo (grau 23), Príncipe do Tabernáculo (grau 24) e seu Soberano Comandante do Templo (Grau 27)”.

Fonte: https://judaismoemaconaria.blogspot.com.br/2005/10/significado-judaico-do-mito-de-hiram.html

Abraços

sábado, 29 de outubro de 2016

Diversão dos diabos

Batistas expõem a verdadeira Disney
por Don Feder



Boston Herald, Wednesday, 25 de junho de 1997, pág. 27.

Abençoada Convenção Batista do Sul dos EUA! Por muitos anos, a Companhia Walt Disney estendeu seu dedo médio para os EUA. Uma reação já era esperada há tempos. Em sua convenção em Dallas na semana passada, os delegados votaram maciçamente a recomendação que as 40.613 igrejas boicotem os quiosques da Disney, incluindo seus filmes, parques temáticos, lojas e empresas afiliadas, como a rede de televisão ABC.

A maior denominação evangélica dos EUA está desencantada com as políticas favoráveis aos homossexuais da Disney. Em 1996, os organizadores dos "Dias dos Gays e Lésbicas em Walt Disney World" usaram um emblema mostrando o Mickey Mouse e o Pato Donald como dois companheiros "da gaiola". A Disney não reclamou.

Na convenção do ano passado, os Batistas do Sul chamaram o conglomerado de entretenimento ao arrependimento. A Disney respondeu apresentando o episódio da comédia de situação 'Ellen' em que a personagem principal revela sua opção sexual pelo lesbianismo.

A Disney também anuncia em publicações voltadas para o público homossexual como a revista 'Out' e ajudou a subscrever fundos para o Grupo de Trabalho Nacional dos Homossexuais e Lésbicas. O presidente Michael Eisner pertence à diretoria de 'Hollywood Apoia', um grupo que conduz sessões de lavagem cerebral nas empresas sobre 'sensibilidade à sodomia'.

Apoiar os estilos de vida alternativos não é o único pecado da Disney. Um dos principais produtos de exportação do Reino Mágico são os filmes violentos e degenerados. Os sucessores de Walt Disney exibem lascívia e assassinatos, por meio das subsidiárias como Miramax e Hollywood Pictures. Desse modo, a reputação de entretenimento para a família não é prejudicada. O filme 'Pulp Fiction' (Miramax) é quase obsceno. 'The Color of Night' apresenta nu frontal diversas vezes. No Festival de Cinema de Sundance deste ano, a Miramax pagou US $2 milhões pelos direitos de distribuição de 'The House of Yes', uma comédia elegante sobre incesto entre irmão e irmã.

A Disney ataca a religião tradicional com o zelo de um ateísta. O filme inglês 'Priest' (O Padre) distribuído nos EUA pela Miramax fez a Igreja Católica parecer uma seção de terapia de grupo. Ele mostra cinco padres problemáticos: um tinha uma amante, outro era lunático, problemas esses que eram atribuídos ao que Hollywood considera a crueldade do dogma católico.

No Outono, a rede ABC apresentará a série 'Nothing Sacred' - que exibe toda a atitude da Disney pela fé. A comédia de situação é sobre o Padre Ray, descrito como um 'padre irreverente que duvida da existência de Deus e sente paixões lascívias no seu coração'.

É difícil ser um padre nestes anos 90, diz uma propaganda da ABC. 'Pergunte ao Padre Ray' (Kevin Anderson). Em uma manhã, ele quase é removido da paróquia por aconselhar uma adolescente grávida a seguir os seus próprios instintos. Qual a melhor forma de zombar de Roma do que com um padre agnóstico e libidinoso que considera o aborto uma questão de consciência individual?

Fonte: https://judaismoemaconaria.blogspot.com.br/2005/06/batistas-expe-verdadeira-disney.html

Vejamos também a polêmica palestra do Pastor Josue Yrion, escritor e conferencista brasileiro de fama internacional falando sobre o satanismo na Disney:


Em 2005, Josué Yrion promoveu no México um processo contra a apresentadora Xuxa Meneghel (*), por satanismo, após ver documentários e filmes de sua carreira. Ele a acusava de ter vendido sua alma para o diabo por US$ 100 milhões numa igreja satânica dos Estados Unidos.

No âmbito político, o famoso reverendo já declarou diversas vezes ser opositor ferrenho do ex-presidente norte-americano George W. Bush.

Fonte: http://tempocrise.blogspot.com.br/2012/02/polemico-rev-josue-yrion-famoso-por.html

O pastor critica a Disney, mas Hollywood também tem sua enorme contriubuição na desintegração da moral e da família. E quem controlas esses conglomerados midiáticos?

(*) "Capa do CD da Xuxa":
https://desatracado.blogspot.com.br/2013/10/capa-do-cd-da-xuxa.html

"Xuxa, rainha dos baixinho. Rainha?":
https://desatracado.blogspot.com.br/2013/11/xuxa-rainha-dos-baixinho-rainha.html

"O paganismo está de retorno, mas sob a tutela do judaísmo."
Abade Meinville

"A Cabala é uma mistura de todos os cultos pagãos."
Abade Meinvielle, in "De la Cabala al Progresismo", pág. 111.

Abraços

terça-feira, 25 de outubro de 2016

A farsa da compatibilidade judaico-cristã

Discurso do Rabino Rzeichhorn em 1865

       Resultado de imagem para judaism is devil

Discurso do Rabino Rzeichhorn por ocasião do enterro do Rabino Simeão Ben Jehouda, em 1865, publicado anos depois no «Contemporain»:

«O ouro manejado por mãos experientes será sempre a mais útil alavanca para os que o possuem e objeto de inveja para os que não o possuem. Com o ouro compram-se as consciências mais rebeldes, fixa-se a taxa de todos os valores, o curso de todos os produtos; atendem-se os empréstimos dos Estados, que em seguida ficam à nossa mercê.

«Já estão em nossas mãos os principais bancos e Bolsas do mundo inteiro, e os créditos sobre todos os governos. A outra grande potência é a imprensa. A custa de repetir sem cessar certas idéias, por fim ela as faz admitir como verdades. O teatro presta serviços análogos. Em toda parte, o teatro e a imprensa obedecem a nossa direção.

«Pelo elogio infatigável do regime democrático, dividiremos os cristãos em partidos políticos, destruiremos a unidade de suas uniões, semearemos a discórdia. Impotentes, sofrerão a lei de nosso banco, sempre unido, sempre devotado a nossa causa.

«Atiraremos os cristãos às guerras, explorando-lhes o orgulho e a estupidez. Massacrar-se-ão e desocuparão o lugar, onde nos estabelecermos.

«A posse da terra sempre deu influência e poder. Em nome da justiça social e da igualdade, dividiremos as grandes propriedades; entregaremos as parcelas aos camponeses endividados pela exploração as parcelas aos camponeses endividados pela exploração. Nossos capitais nos tornarão senhores deles. Por nossa vez, seremos os grandes proprietários e a posse da terra nos assegurará o poder.

«Esforcemo-nos por substituir na circulação o ouro pelo papel-moeda; nossas caixas absorverão o ouro, e regularemos o valor do papel, o que nos tornará senhores de todas as reservas.

«Contamos entre nós oradores capazes de incender o entusiasmo e persuadir as multidões; espalha-los-emos entre os povos, para anunciarem as mudanças capazes de realizar a felicidade do gênero humano. Pelo ouro e pela lisonja, ganharemos o proletariado, que se encarregará de aniquilar o capitalismo cristão. Aos obreiros, prometeremos salários com os quais nunca ousaram sonhar; mas elevaremos também o preço das coisas necessárias, de tal maneira que nossos lucros serão ainda maiores.

«Assim, preparemos revoluções, que os cristãos mesmos farão e cujos frutos colheremos nós.

«Por nossas impertinências, por nossos ataques, tornaremos ridículos seus sacerdotes, e depois odiosos – sua religião tão ridícula e tão odiosa quanto seu clero. Seremos, então, senhores de suas almas. Pis nosso piedoso agarramento a nossa religião, a nosso culto, lhes provará a superioridade de nossas almas.

«Já situamos nossos homens em todas as posições importantes. Esforcemo-nos por fornecer aos goyms advogados e médicos; os advogados estão ao corrente de todos os interesses; os médicos, uma vez na casa, tornam-se confessores e diretores de consciência. Mas, sobretudo, açambarquemos o ensino. Por aí, espalharemos as idéias que nos são úteis, e empederniremos os cérebros, à nossa vontade.

«Se um dos nossos tem a infelicidade de cair nas garras da Justiça entre os cristãos, corramos em seu auxílio; procuremos o número de testemunhas suficiente a salvá-los dos juízes, até sermos nós mesmos os juízes.

«Os monarcas da cristandade, inflantes de ambição e de vaidade, cercam-se de luxo e de exércitos numerosos. Fornecer-lhe-emos todo o dinheiro, que reclamem suas maluquices; e os teremos em nossas mãos».

Fonte: "Os Servos do Talmud", pp 113-117, Luís Amaral, Editora ECO Limitada, 1948.

Fonte: https://judaismoemaconaria.blogspot.com.br/2005/08/no-no-so-os-protocolos.html

Abraços

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Aborto, doutrina pagã?

Aborto e Espiritualidade Pagã

Por Willy Peterson



O Sacramento do Aborto, escrito por Ginette Paris (Spring Publications, Dallas, 1992), propõe o paganismo (p.e. politeísmo, feitiçaria, adoração à terra etc.) como um modelo superior a uma sociedade que luta contra as conseqüências do aborto.

Em acréscimo ao fornecimento de uma válvula de escape ecológica para a violação da população humana como sendo a origem de todos os males, Paris adota os modelos junguianos de mitologia como arquétipos universais para o envolvimento da consciência humana, um dogma comum entre neo-pagãos. Jung foi um espiritualista que era fascinado com o ocultismo. Suas idéias forneceram uma ponte multi-dimensional entre a psicologia mitológica-pagã e existencialismo, sendo o resultado a emergência de uma religião universalista e ateísta.

Tendo rejeitado a mensagem evangélica da Bíblia, Paris reduz o Cristianismo a uma mitologia comum em que o comprador pode apanhar e escolher de acordo com os caprichos individuais. Mas ela não se preocupa em deixar isso desse modo, mas faz campanhas pela sua morte, com unhas e dentes, além dos típicos valores da família pagã. Como faz esse trabalho ao lado de uma obrigação de aceitar a divindade de todos? Uma vez que a autoridade de Deus da Bíblia foi rejeitada, então a seleção por modelos viáveis se torna um ato de relativismo moral, sujeito a tendências carnais e novidades pós-modernistas tais como a destrutiva doutrina anti-humana do biocentrismo.

Como a história de Artemis justifica a tomada da vida humana inocente? De acordo com Paris, Artemis mata sua vítima por causa do amor. Se as mulheres se identificassem com ela, deveriam amar as crianças que lhe são oferecidas à morte. Esse "amor" se supõe fornecer um equilíbrio a sua folia sangrenta que imita as caçadoras em perseguições competitivas por suas vítimas. Com amigos como esses quem precisa de inimigos?

A religião de si mesmo representa o deus fundamental daqueles panteões pagãos que fornecem justificativas ao próprio apaziguamento de si. Atualmente, visões de si estão por trás de uma porção de máscaras ateístas como panteísmo, magia negra, psicanálise, Nova Era, humanismo, o movimento Eu Sou, e por aí vai. E agora, em nome de si, nossa humanidade resolveu que nós podemos assumir o trono do céu e progredir no trabalho, racionalizando a moralidade com o objetivo de conforto. Nesse ponto, a hipocrisia da natureza humana e suas sombrias ramificações tornam-se todas óbvias demais.

Os seguintes excertos fornecem um vislumbre na tentativa das bruxas introduzirem essa abominável prática com um ar de espiritualidade politeísta: Espiritualidade Pagã

"Eu tenho atraído inspiração por todo esse livro de uma imagem orientadora, Artemis, da mitologia Grega (conhecida pelos Romanos como Diana, a Caçadora). Ela é uma deusa indomada, uma campeã que hoje poderíamos pensar dos valores ecológicos ... seu mito é cheio do que parecem ser os mesmos tipos de contradições que abundam nas considerações do aborto. Artemis é tanto protetora de animais selvagens e uma caçadora que os mata com objetivos inerrantes..." (pág. 1)

"A mesma deusa oferece, assim, proteção e também morte às mulheres, crianças e animais. Por que tais contradições aparentes ... personificadas em uma divindade feminina? É uma forma de dizer que um poder protetor de uma mulher não pode funcionar propriamente se ela não possui também poder total, em outras palavras, o poder sobre a morte bem como sobre a vida? Sua imagem nos pertence assim como à Antigüidade, porque como todas as imagens fundamentais da experiência humana, que C. G. Jung chamava de 'arquétipos,' ela nunca realmente faz envelhecer mas reaparece em diferentes formas e diferentes símbolos ... Ela nos encoraja a nos tornarmos mais cientes do poder sobre a morte, sua natureza inescapável, e seu papel necessário em uma ecologia vivente. Aborto é sobre amor, vida e morte." (pág. 2)

"O inconsciente coletivo sempre usou diferentes caminhos para reduzir a população quando os recursos e o espaço estão carentes ou quando o clima social deteriora." (pág. 26)

"Artemis teve uma reputação para vincular sacrifícios de sangue, incluindo os humanos ... uma prática que deu ao paganismo um tal infeliz nome.... A história de Artemis reivindicando Iphigena como um sacrifício pode ser contada e entendida em mais de uma direção ... em uma, Iphigenia é uma vítima, oferecida em sacrifício no altar de Artemis; noutra Iphigenia se torna uma heroína, e o sacrifício toma um diferente significado. Visto que o aborto é um tipo de sacrifício, eu acredito que uma exploração desse mito poderia abrir novas avenidas de pensamento." (pág. 34)

"Dum ponto de vista pagão, é totalmente estúpido e mesmo absurdo sacrificar uma mãe para o propósito de um recém-nascido, porque a criança obviamente necessita dela ... Artemis, que personifica respeito pela vida animal, aceita a necessidade da caça, mas somente se as regras e os rituais de absolvição são observados. Na maioria das religiões de deusas, uma razão similar é aplicada aos fetos e aos recém-nascidos. É moralmente aceitável que uma mulher que dá a vida possa também destruí-la sobre certas circunstâncias ..." (pág. 53)

"Nossas atitudes sobre o aborto são sub-consciosamente estampadas pelos valores judaico-cristãos (não exitem esses valores em comum), até entre aquelas pessoas que se consideram livres deles. Nós estamos agora no limiar de uma liberalização de atitude frente ao aborto em muitas direções, comparáveis à liberação de atitudes sexuais trinta anos atrás." (pág. 5)

"À sede de sangue de Abraão, Deus encorajou o sacrifício humano em tempo suficiente para o patriarca acreditar que a oferenda de seu único filho Lhe seria agradável ... Quando Jeová detém o braço de Abraão, declara que ele não quer ser mais honrado dessa maneira: essa cena marca uma evolução na mitologia Judaico-Cristã." (pág. 37)

"O paganismo foi desacreditado pela imagem de uma criança inocente sendo arrastada por corruptos pagãos a um altar para ser sacrificada a uma deusa cruel, como se Deus não tivesse também pedido o sacrifício e crucifixão de seu único filho." (pág. 41)

"A mitologia Judaico-Cristã tem tido a maior influência em nossa cultura Ocidental por quase dois mil anos, fornecendo as idéias, valores e imagens simbólicas. Nós podemos apagar dois mil anos de influência monoteísta, desmoronando todas as práticas religiosas e declarando as nossas livres da fé de nossos pais? Certamente não como tem sido provado por nosso repentino despertar aos valores ecológicos. Nós estamos apenas começando a entender como uma religião que tira da natureza sua santidade, de forma a colocar tudo de sagrado em um Deus (cujo reino não é desse mundo) pode ser perigosa às árvores, animais, oceanos, florestas e consciência pessoal, tudo que era considerado recipiente do divino na Antigüidade politeísta." (pág. 4)

"...há mais de um caminho para definir moralidade, dignidade humana, direitos da criança, e os assuntos de responsabilidade coletiva pela vida e morte. É também claro que tudo isso está intimamente ligado à ecologia global." (pág. 6)

"...nós devemos constantemente monitorar os valores ligados à desonra, conforme educamos as próximas gerações, de forma a poder deixá-los de lado quando não mais expressam nossos ideais... "Quando um aborto é necessário, não só deveria deixar de existir qualquer vergonha, mas deveria haver um novo consenso de que ter uma criança que não possa ser cuidada adequadamente é vergonhoso." (pág. 106)

"Não é imoral escolher o aborto; é simplesmente um outro tipo de moralidade, a pagã. É tempo de parar de ser defensivo a esse respeito, tempo de apontar um dedo acusatório em outro campo e denunciar sua própria posição imoral." (pág. 56)

"Como Artemis deveria matar um animal ferido preferentemente a permitir-lhe mancar miseravelmente, assim uma mãe deseja poupar o filho de um destino doloroso." (pág. 56)

"... os homens que decidem matar ou não em guerra então ousam falar a respeito de crime e assassinato quando uma mulher sacrifica um feto não mais importante do que uma uva seca e menos consciente do que uma galinha.... Os seres sacrificados em abortos não sofrem como as vítimas de guerra e desastres ecológicos.... A guerra é santificada ... pelos nossos líderes religiosos. Mas deixar uma mulher abortar um feto que nem mesmo tem o aparato neurológico para registrar o sofrimento, as pessoas se chocam." (pág. 25)

"É raro para uma mulher escolher aborto porque de algum jeito ela odeia o feto. Ela o sacrifica por causa de algo que julga nesse momento ser mais importante, seja uma criança existente ... seja sua própria sobrevivência física, econômica ou psicológica, ou o destino do planeta." (pág. 95)

"Essa mesma qualidade nos permite visualizar um mundo de respeito crescente pelas crianças, um mundo em que alguém pode ocasionalmente recorrer ao aborto quando é necessário sacrificar o feto a um causa mais alta, especialmente, o amor às crianças e a recusa em vê-las sofrer." (pág. 107)

"Alguns valores são dignos de sacrifício ... O aborto sempre foi e continua a ser um outro caminho de escolher a morte sobre a vida." (pág. 51)

"... o retorno da antiga deusa Artemis nos convida a imaginar uma nova partilha de poderes de vida e morte entre homens e mulheres, e alocação que permite aos homens apreciar o custo de uma vida, e às mulheres tomarem decisões baseadas em seus conhecimentos de mãe." (pág. 27)

"Alguém deve preservar na própria personalidade ... uma força intacta, inviolável e radicalmente feminina; isto é, a parte Artemesiana do anima que guarda a zona não domesticada de nossa psique, sem que nós nos arrisquemos a nos tornarmos seres humanos domesticados em excesso, tão facilmente tangíveis." (pág. 107)

"Obviamente, todos têm um direito às suas crenças religiosas, mas quanto a minha sendo Pagã?" (pág. 57)

"Nossa cultura precisa de novos rituais, assim como leis para restaurar o aborto à sua dimensão sagrada, que é tão terrível e necessária." (pág. 92)

"O aborto é um sacrifício a Artemis. O aborto como um sacramento ao dom da vida permanece puro." (pág. 107)

Uma palavra final:

"Porque toda carne é como a erva, e toda a sua glória como a flor da erva. Seca-se a erva e cai a flor, mas a palavra do Senhor permanece eternamente (Is 40: 6s). Ora, esta palavra é a que vos foi anunciada pelo Evangelho." Agora essa é a palavra através da qual o Evangelho foi pregado a você. (1ª Pe 1: 24-25)

Fonte: http://www.forerunner.com/champion/X0004_Paris_Sacrament.html com tradução de
https://judaismoemaconaria.blogspot.com.br/2006/02/aborto-e-espiritualidade-pag.html

Abraço

domingo, 16 de outubro de 2016

Nova Ordem Mundial será regida pela Torá

Sinédrio Reconhece Conselho para Ensinar à Humanidade as 'Leis de Noé'

Por Ezra HaLevi

     Resultado de imagem para 7 noahide laws antichrist
Tradução: "Goyim (não-judeus) nasceram apenas para nos servir. Eles não têm nenhum lugar no mundo - apenas para servir o povo de Israel." 
Rabino sefardita haredi Ovadia Yosef, acadêmico talmúdico e reconhecida autoridade da Halachá (guia do modo de viver judaico).

Um grupo de delegados não-Judeus veio a Jerusalém para comprometer sua lealdade às Leis de Noé. Eles apareceram diante do nascente Sinédrio, que estabeleceu um Alto Conselho para B'nai Noach.

Os dez delegados apareceram diante de uma sessão especial da Alta Corte Judaica de 71 Rabbis liderados pelo seu Nassi (Presidente) Rabbi Adin Even-Israel Steinsaltz. B'nai Noach, literalmente "Filhos de Noé", também conhecidos como Noahides, são não-Judeus que tomam parte nas obrigações da Torá para todos os membros da espécie humana. As tais sete leis foram transmitidas através de Noé após o Dilúvio, conforme documentado no Gênesis (veja abaixo).

A assembléia tomou parte sob um pôster citando a passagem Bíblica em Tzefania (Sofonias) 3:9 que refere-se a "todas as nações... falando uma linguagem pura... proclamando o nome de D-us."

            
Delegados do B'nai Noah ouvindo palestra do nascente Sinédrio em Jerusalém.

Os delegados de Noé permaneceram de pé diante do nascente Sinédrio, que foi restabelecido por mais de um ano atrás em Tiberíades, seguindo a renovação da ordenação Bíblica, e encontraram-se regularmente desde então. "Cada um [da B'nai Noach] vem com um nome do que produziu no mundo, como um professor e exemplo em sua comunidade de observância das sete leis de Noé," afirmou Rabbi Michael Bar-Ron, o emissário do Sinédrio que facilitou a organização do conselho, introduzindo os delegados. "Com um grande custo material e financeiro, eles voaram pelo mundo para Jerusalém, a cidade santa, para empenhar diante do tribunal e de toda a humanidade, a sua submissão às Sete Leis de Noé, as leis do Criador."

Cada um dos representantes Noahide ficou diante do Sinédrio e disse:

"Eu coloco minha devoção a HaShem, Deus de Israel, Criador e Rei do Universo, a sua Torah e seus representantes, o Sinédrio aqui presente. Eu me empenho em apoiar as Sete Leis de Noé em todos seus detalhes, de acordo com a Lei Oral de Moisés sob a orientação do Sinédrio aqui presente, por este meio. Possa HaShem abençoar-me e ajudar-me, a meus sócios de conselho da mesma categoria e todos do B'nai Noach em todos nossos empenhos por causa do nome Dele. Abençoado és, Deus, o Rei do universo que me fez viver me sustentou, e me trouxe a este dia."

Roger Grattan, um ajudante do concílio que vive em Maine, contou a Arutz-7 antes da cerimônia, "Eu estou seguro que este será um parágrafo na história de civilização, embora alguém também pudesse escrever livros nisto. Também é o cumprimento de uma profecia." Os membros do concílio são o Coordenador de Relações Estrangeiras da Índia Bud Gill, Billy Jack Dial, Andrew Overall, Adam Penrod, Jacob Scharff, Presidente Larry Borntrager, o Honorário do Concílio dos Noahide, Vendyl Jones, o Chefe da comunidade de Tennessee Jack Saunders e o Orador do Concílio Jim Long.

            
           Ben Noah Roger Grattan se compromete perante o Sinédrio.

Logo se dirigiu aos rabinos do tribunal, pedindo reconhecimento formal do Concílio dos Noahide: "Sua honra, estimados rabinos do Sinédrio. Nós estamos aqui por causa de sua Torah. Rabinos, diante de vocês, elevamos a Torah e ela nos atraiu; diante disso, nós tropeçamos na escuridão. Todos aqui podem hoje contar-lhe que no passado sofremos a necessidade para consolidar nossos esforços para tornar o mundo ciente da verdade."

Rabbi Even-Israel Steinsaltz, em apoio ao Sinédrio, replicou: "Nós, por isso, reconhecemos estes homens como o primeiro alto concílio da B'nai Noach, de acordo com as condições que eles aceitaram sobre si."

Rabbi Steinsaltz falou sobre o papel das pessoas judias trazendo as Leis de Noé para o mundo:

"Eu faço parte dessa família judaica e eu não tenho nada de mau pra dizer sobre esta família, mas você não chega a um homem na rua e lhe pede pra se unir a sua família. Ao invés disso, você fala pra ele sobre unir a verdadeira crença no Criador e sobre implementar a justiça divina em direção a seu companheiro. Nós estamos montando uma missão global aqui - não para recrutar pessoas, mas para trazê-las à realização que há um D-us."

O Nassi explicou que este aspecto de posição de Judaísmo repousa dormente durante anos, conforme o povo judeu permaneceram vivas e mantiveram a Torah no exílio.

Rabbi Steinsaltz pediu um projeto extenso a ser empreendido para ajudar o B'nai Noah nos detalhes minuciosos da observância da religião. "Um Shulhan Arukh [Código de Lei Judeu] para B'nai Noah deve ser escrito de forma que o indivíduo possa ter orientação sobre o que fazer", Steinzaltz disse, enquanto recorrendo ao compêndio de lei judia prática escrito pelo Rabbi Yosef Karo de Tzfat nos 1560 e são usados até hoje.

Ele se dirigiu então aos dez representantes do B'nai Noah que tinham suportado horas de falas hebraicas ao longo do dia em inglês: "Há nessas pessoas, um número pequeno que diz 'Nós estamos unidos pela convenção de Adão e a convenção de Noé e nós sabemos que nós temos que executar e cumprir nossas obrigações.' Nós, como judeus, temos a mesma religião que vocês.

"Dentro da nação de Israel há uma tribo que se trata do Templo - os sacerdotes. Nós judeus somos uma tribo específica no mundo que foi escolhido ser uma tribo de sacerdotes - os sacerdotes hereditários. Por causa disto nós temos deveres especiais. Sendo um sacerdote não significa que nós estamos isolados das outras pessoas. Enquanto as pessoas do mundo forem todas as unidades diferentes nos exércitos do Deus, nós somos uma unidade de comando especial que talvez não cobra mais, mas tem tarefas especiais que podem ser mais perigosas. [Notal: a Torah diz que os sacerdotes israelenses são os levitas, não os judeus]"

Rabbi Even-Israel falou sobre as dificuldades que confrontariam o B'nai Noah movimento quando crescesse:

"Quando nós estamos falando em geral, quase todo ser humano pode aceitar as leis de Noé mais ou menos, mas quando nós adquirimos a visão particular, nós veremos pontos sérios aos quais nós discordamos com Cristianismo e Islã.

"É uma coisa quando uma religião é pequena, mas conforme fica, haverá maiores pressões enormes. Nós estaremos ao lado de você. Nós somos os membros da mesma religião que foi determinada pelo Todo-poderoso para a humanidade. Parte disto foi dada aos judeus e parte disto foi dada a humanidade como um todo."

O Nassi acrescentou que enquanto há esses que duvidam da habilidade do Sinédrio para ser mais que uma idéia que conduz até o verdadeiro tribunal restabelecido, o Conselho dos Noahide não pode ser duvidado nem pode ser criticado devido a seus puros motivos e missão sem precedente.

Rabbi Yaakov Ariel do Temple Institute disse que embora terça-feira é o Jejum do Décimo de Tevet que comemora o começo da destruição, "Nossa conferência agora em Jerusalém, ao lado do B'nai Noah, demonstra a revivificação e o cumprimento das palavras dos profetas." Rabbi Ariel contou que esses se juntaram e ele havia visto um arco-íris que manhã, "a coisa mais íntima para ver o próprio Noé - o símbolo da convenção entre D-us e humanidade como testemunhado por Noé."

O arqueólogo afamado e líder de Noahide, Vendyl Jones se dirigiu para um banquete festivo junto aos sócios de Concílio, enquanto falava sobre as Sete Leis de Noé. Ele explicou, em detalhes, os versos nos primeiros onze capítulos de Gênese os quais as sete leis são elucidadas, enquanto dizendo que ele sempre entendeu os primeiros seis, mas nunca entendeu a lei que proscreve o comer de um membro de um animal vivo - até que ele se lembrou dos dias que marcava gado com ferro dele no Texas: "Nós marcávamos com ferro e castrávamos o gado quando eu era jovem, e à noite nós sentávamos em volta da fogueira de acampamento e comíamos o que eles chamaram 'ostras montesas' " - os testículos dos animais ainda vivos.

Rabbi Nachman Kahane, Av Beit HaDin, falou em inglês. "D-us criou um mundo primitivo", ele disse. "Nós não cultivamos pães, mas o grão deve ser colhido, triturado e assado. Nós temos que ter em vista ser parceiros de D-us. Infelizmente, ao longo da história, cresceram perversões desta idéia. Como você pode ser parceiro de D-us se você for maldito e nascido com pecado original? Como você pode ser parceiro de D-us se sua religião lhe diz para enviar suas crianças para centros comerciais explodir as pessoas? O que nós estamos criando hoje é um reconexão entre as pessoas e D-us. D-us está dizendo à humanidade - todo o mundo tem um trabalho. Eu existo para ser um sacerdote - eu tenho uma tarefa particular para quando o Templo for construído - mas todos nós há pouco temos uma tarefa específica o mesmo; eu não sou melhor."

Jones contou para Kahane, seu irmão, o Sócio Knesset, Rabbi Meir Kahane, junto com Rabbi Shlomo Carlebach, que tinha organizado uma das primeiras conferências quase 20 anos atrás para B'nai Noah.

De manhã, vários oradores focalizaram assuntos que cercam a B'nai Noah movimento como parte de uma conferência no estabelecimento da B'nai Noah.

Sheikh Abdul Hadi Palazzi, um líder da Assembléia Muçulmana Italiana, endereçou à assembléia, falando a respeito da B'nai Noah em Islã: "A Lei islâmica tem em si as sete leis de Noé e pode ser ensinada corretamente aos muçulmanos do mundo ... eu me lembro ter lido que um Sinédrio novo foi criado em Jerusalém [e] minha impressão era muito positiva - eu pensei talvez em algo novo tivesse sido criado para permitir que as pessoas judias projetassem clareza moral e legal para contrabalançar a falta disto em nosso mundo."

Palazzi acrescentou que o projeto de criar um conselho de professores Noahide esperançosamente possa se oponha ao efeito educacional negativo da retirada de Gaza "que ensinou o oposto ao meu povo - convencendo muitos que só o terrorismo funciona."

Rabbi Dr. Eliyahu Zini que encabeça Yeshiva ou V'Yishuah e é o rabbi Instituto Tecnológico de Israel - localizado na cidade de Haifa, falou sobre as verdades naturais intuitivas das leis de Noé. "Nós temos que criar uma conexão formal entre a nação de Israel e o B'nai Noah e mostrar ao mundo que nós somos uma nação de sacerdotes santos, como é ditado em nossa Torah", ele disse, falando parte em francês, como a conferência estará disponível na web page do Sinédrio para ser vista mundialmente a prospectiva B'nai Noah do mundo.

Rabbi Yoel Schwartz que recebeu a bênção de Rabino Shalom Elyashiv, um hareidi religioso, para se ocupar do projeto de criar um tribunal e infra-estrutura para a B'nai Noah dirigindo bem a conferência. Rabbi Schwartz é o Deputado Av Beit HaDin [literalmente, "ancião do tribunal"] do Sinédrio e o Av Beit HaDin do B'nai Noah. Ele falou no tópico de "B'nai Noah e Paz Mundial".

"O Jihad islâmico contra o mundo restabeleceu a religião ao centro da consciência do mundo", Schwartz disse. "Mais de 30 anos atrás, alguém pelo nome de Eisenberg enviou uma proposta para as Nações Unidas dizendo que nunca haverá paz mundial a menos que os cidadãos do globo concordem em certos princípios de fé. Foi adotado pela ONU como um de seus documentos oficiais mas não foi levado adiante e foi esquecido desde então. Nós estamos aqui hoje para levar adiante aquele documento e lembrar à ONU por que ela existe. Haverá paz mundial quando o mundo inteiro concordar que há um D-us. Há as pessoas que não pensam o que eu estou a ponto de dizer vale a pena, mas eu sugeri anos atrás que nós comecemos a traduzir nossos livros que dão significados para as nações do mundo em árabe. [Schwartz tem escrito muitos livros em observância prática para Noahides - ed.] Não é coincidência que nós temos esta nação ao nosso lado, enquanto cercando e vivendo dentro da terra em nosso retorno para isto, que também preservem a herança de Abraão, nosso pai."

Schwartz traduziu seus livros realmente ao árabe, com ajuda de um homem árabe ele se encontrou em um ponto de ônibus que lhe fez uma pergunta sobre a Mishna, contando-lhe que já havia traduzido a Mishna, uma codificação de lei oral judia. Ele disse que a impressão inteira fora vendida. "Pais muçulmanos me agradeceram que tenha ensinado suas crianças que há um caminho alternativo ao céu que se tornando um shahid, um mártir", ele disse.

Rabbi Schwartz explicou que embora um dos propósitos do exílio do povo judeu era a disseminação da convicção das verdades da Torah ao redor do mundo, o seu retorno para Israel trouxe com isto a tecnologia para redobrar nossos esforços daqui:

"O momento que nós viemos para o Israel, a tecnologia de comunicação floresceu. O telefone e rádio esparramaram rapidamente, e computadores e internet vieram em seguida, mudando o conceito inteiro de comunicação e educação. Quando nós estávamos no exílio, nós éramos ensinar o mundo lá, e agora que nós voltamos à Terra de Israel, D-us nos deu as ferramentas fazer o trabalho daqui."

Rabbi David Zilbershlag, Diretor de Meir Panim e Koach Latet, ambas as associações de caridade inovadoras, falou sobre retificar os pecados da geração de Noé, a geração da Inundação. Zilbershlag disse que o concílio novo de Noahides tem que focalizar em bondade e caridade, e como nisso estava a base da aliança de D-us com Noé (a falta da qual resultou na destruição da geração inteira de Noé) e a aliança posterior dele com Abraão.

"É difícil de distribuir e difundir uma idéia que é negativa, como as leis de Noé são expressadas", Zilbershlag disse. "Nós temos que fazer para um grande esforço para encontrar e distribuir as ordens positivas pertinentes em nossa tradição como fizemos ao longo do mundo, e o mais básico disso é seguir os passos Abraão nosso pai."

Rabbi Eliyahu Essas, um refusenik anterior e fundador do Teshuva (retorno para o Judaísmo) movimento na URSS, falou sobre estabelecer doação em Israel para ajudar os gentios que foram banidos da União Soviética para Israel e se dêem conta das leis dos Noahide:

"Há 400.000 para cada milhão de habitantes, que vieram para Israel e não é judeu, de acordo com lei judia, pelo menos. Há muitos que pensam que eles são judeus, mas não tem uma mãe judia e então não é judeu de acordo com lei judia. 150,000 não têm nenhuma conexão de sangue à nação de Israel - os cônjuges de judeus e parentes que vieram debaixo da Lei de Retorno. Então há 30.000 que não têm nada que ver com as pessoas judias, vindo com documentos forjados.Ou seja, judeus quiseram ser russos; aqui, russos quiseram ser judeus.

"Nós deveríamos exortar tal uma pessoa para converter, nós deveríamos o deixar só, ou nós deveríamos tentar conseguir que ele se torne um Ben Noah?" O rabino Essas pediu, se abstendo de oferecer respostas e dizendo que tais assuntos complicados devam ser negociados com pelo Concílio dos Noahide e o B'nai Noah Beit Din do Sinédrio. Ele acrescentou que o problema de casamento entre parentes não foi discutido através de gerações prévias que porque não existiram tais números. "Nós estamos lidando com 50% de famílias no União Soviética e até mesmo mais do que a América do Norte. Assim se um cônjuge um judeu é e a pessoa um Ben Noah é, o quais serão seus status? Eu quero elevar estes assuntos e oferecer uma oração ao Todo-poderoso nos ajude achar soluções sábias."

O Porta-voz Jim Long esboçaram as metas do Concílio:

"Educação é uma parte vital de nosso esforço e nós precisamos que você nos ajude nisso. Nós precisamos ter certeza que aqueles grupos de Noahide em desenvolvimento não se dividem em denominações. Como nós passamos ao olho público, nós seremos vistos como hereges por muitos. Cada um de nós vem de outras religiões e temos que desenvolver modos para os quais eles nos escutam sem tampar as orelhas. O movimento de Noahide é um modelo baseado na Torah para um modo ético de vida. O Criador exige que a humanidade apóie estas leis como Sua aliança com Noé.

"Qualquer um que lê a Bíblia pode ver que sua Torah é sua constituição, seu Direito de Propriedade e sua ação para a Terra de Israel. Nós temos planos para publicar rezas de Noahide, livros de crianças, documentários em ciência e o mundo pela lente do Torah." "Nós ouvimos que D-us está com você", Long concluiu. Para mais informação, o secretário de Concílio pode ser contatado a no seguinte e-mail:: dbtc@actcom.co.il

As Sete Leis de Noé são:

Shefichat damim - Não matar ou cometer suicídio.

Avodah zarah - Rezar e oferecer sacrifícios apenas a Deus. Não adorar falsos deuses/ídolos. (Os cristãos são considerados idólatras por crerem na divindade da Trindade e Jesus ser um falso deus. Pelas 7 Leis de Noé ou Torá, serão perseguidos.)

Gilui arayot - não seja sexualmente imoral (nenhum incesto, sodomia, bestialidade, castração e adultério), cruzar animais de raças diferentes ou executar castração.

Ever Min HaChai - não coma uma parte de um animal ao vivo ou consumir sangue.

Birkat Hashem - não proferir o nome de Deus em vão, amaldiçoar Deus ou procurar o oculto. Honre seus pais.

Gezel - Não roubar ou sequestrar.

Dinim - Julgue honestamente e aplique a justiça julgando os ofensores e apóie os princípios dos últimos cinco.

Reparem que não constam as punições para quem descumprir essas leis e parecem valer somente em sentido único, criando um casta mundial de privilegiados.

Fonte: https://judaismoemaconaria.blogspot.com.br/2006/02/sindrio-reconhece-conselho-para.html

Resultado de imagem para Goyim (não-judeus) nasceram apenas para nos servir. Eles não têm nenhum lugar no mundo - apenas para servir o povo de Israel.

Abraços

sábado, 15 de outubro de 2016

Ronald Reagan e Noé

Proclamação 5463 – Dia da Educação, E.U.A., 1986
          Resultado de imagem para Ronald Reagan and jews

19 de Abril de 1986
Pelo Presidente dos Estados Unidos da América

Uma Proclamação

Desde os tempos coloniais, os Norte-Americanos sempre reconheceram que educação é a chave dourada que abre a porta à realização e o progresso. Essa Administração tem colocado renovada ênfase na excelência na educação, e os resultados já são encorajadores. Ambientando altos padrões, nós desafiamos a juventude a desenvolver seus músculos mentais e aspirar alcançar o melhor que há neles. Uma tal educação sucede porque faz aprender uma aventura.

A educação é como um diamante com muitas facetas: inclui o domínio básico de números e letras que nos dão acesso ao tesouro do conhecimento humano, acumulado e refinado por todos os tempos; inclui treinamento técnico e vocacional bem como instrução em ciência, matemática superior, e literatura humanitária. Mas nenhuma verdadeira educação pode deixar de fora as dimensões morais e espirituais da vida e aspiração humana. Somente a educação que endereça essa dimensão pode levar àquela mistura de compaixão, humildade e entendimento que é resumida em uma palavra: conhecimento.

``Feliz o homem,'' nos conta a Escritura, ``que encontra o conhecimento. . . . Seus caminhos são caminhos de prazer, e todos suas estradas são de paz. Ela é uma árvore de vida àquele que vem a possui-la.'' (Então os americanos nunca encontraram esse tal "conhecimento", muito menos o sr. Reagan entendeu o seu real significado que é espiritual e não meramente secular.)

O Congresso procurou chamar a atenção a esses duráveis valores adotando resoluções que pagam tributo ao exemplo de Rabbi Menachem Mendel Schneerson, um homem que dedicou sua vida à procura do conhecimento e a guiar outros ao longo de suas trilhas. Ele exemplifica a rica tradição das Sete Leis de Noé, que foram a estrela-guia do movimento Lubavitch desde seu início. 

Em reconhecimento às nobres realizações do Rabbi Schneerson e em celebração do seu 84º aniversário, o Congresso, pela Resolução Conjunta da Casa 582, designou o 20 de Abril como o ``Dia da Educação, dos E.U.A.'' e autorizou e requisitou o Presidente a lançar uma apropriada proclamação em observância desse evento.

Agora, Portanto, Eu, Ronald Reagan, Presidente dos Estados Unidos da América, faço por isso proclamar, o Domingo, dia 20 de Abril de 1986, como Dia da Educação dos E.U.A., e eu chamo a atenção das pessoas dos Estados Unidos, e, em particular nossos professores e outros líderes educacionais, a observarmos esse dia com apropriadas cerimônias e atividades.

Em Testemunha do que, eu tenho aqui para arrumar minha mão esse décimo nono dia de Abril, no ano de Nosso Senhor, o décimo nono centésimo e octagésimo sexto, da independência dos Estados Unidos da América, o ducentésimo décimo.

Ronald Reagan
[Filed with the Office of the Federal Register, 10:26 a.m., April 21, 1986]

Fonte: https://judaismoemaconaria.blogspot.com.br/2006/02/proclamao-5463-dia-da-educao-eua-1986.html

Abraços

Maçonaria kosher 2

"Maçonaria foi fundada pelos judeus como uma instituição cosmopolita"

            
Rabbi Isaac Mayer Wise (1819-1900), Maçom de Grau 32. Importante judeu da América e principal rabbi durante o século XIX.

Em agosto de 1855, quando Wise escreveu os artigos abaixo, ele teria 36 anos de idade, e era tanto o editor, quanto fundador e proprietário do jornal judaico de Cincinnati em que eles aparecem, The Israelite, desde 1874, conhecido como The American Israelite. Com os artigos inteiros, somos capazes de aprender em qual contexto ele fez essas afirmações (concentre-se que ele fez isso repetidamente) que a maçonaria era uma instituição judaica.

Wise tinha claramente ficado irado por uma carta que havia sido publicada no The Boston Morning Times de um maçom anônimo de Massachusetts, em que ele alegava que:

"... aqui em Massachusetts a maçonaria é uma instituição cristã, ou particularmente protestante; cristã como é meramente TOLERA judeus; prostestante como é, detesta católicos."

Wise reimprimiu a carta do maçom de Massachusetts na edição de 3 de agosto de 1855 de The Israelite, e escreveu uma resposta, em que ele declarava:

"Nós caracterizamos os princípios acima como anti-maçônicos, porque nós sabemos que não somente católicos, mas israelitas nesse país e na Europa são proeminentes e brilhantes maçons. Nós sabemos ainda mais, quer dizer, que a maçonaria é uma instituição judaica cuja história, graus, deveres, senhas e explicações são judaicas do início ao fim, com a exceção de umas poucas palavras na obrigação, cuja verdadeira origem na Idade Média é católica romana. (...) É impossível ser bem colocado na maçonaria sem ter um professor judeu,"

Cerca de duas semanas depois, em 17 de agosto de 1885, na edição de The Israelite, Wise publicou uma carta de "Um jovem maçom" de Boston, Massachusetts, respondendo ao artigo original de Wise. Mais uma vez, Wise seguiu com uma resposta. Desta vez ele escreveu:

"A maçonaria nunca foi especialmente judaica, nem é agora especialmente cristã, ela sempre foi sustentada, e de acordo com sua natureza deve sustentar caráter cosmopolita."

Mas isso estava em resposta direta a uma afirmação de "Um jovem maçom", que um Rev. Irmão Randall (presumidamente, um clérigo protestante e maçom em Massachusetts), insiste que a maçonaria "foi uma vez judaica, mas agora é principalmente cristã."

Um claramente irado, e às vezes sarcástico Rabbi Wise, veio a clarificar sua posição que a maçonaria era uma instituição judaica. Ele também insistia que os judeus deram ao mundo o cristianismo para gradualmente converter os pagãos aos ensinamentos dos profetas de Israel. E então ridiculariza o Rev. Irmão Randall, declarando que os judeus não fizeram-lhe pessoalmente um favor, embora ele esteja numa posição privilegiada, sendo um pregador em uma fé que os judeus criaram:

"É um grande favor, o Rev. R. acredita que os judeus são admitidos nas lojas etc. das quais eles devem ficar sensíveis e gratos. Por que ele não a considera um favor, que nós temos o privilégio de viver em nossas casas? A maçonaria foi fundada por judeus como uma instituição cosmopolita, por conseguinte é um favor para o judeu ser admitido nas lojas, quer dizer, em nossa própria casa. Quão sapiente!

Nós judeus demos origem à fraternidade maçônica como uma instituição cosmopolita; mas nós não consideramos nenhum favor admiti-lo na loja, com a condição que, porém, você deixe seu sectarismo do lado de fora dos muros consagrados. Nós demos seu cristianismo para converter os pagãos gradualmente ao puro deísmo e ética de Moisés e dos Profetas (*); ainda, nós não consideramos nenhum favor especial concedido a você de nossa parte, que tenha o privilégio de ser um pregador em uma das igrejas."
 
        
            The Israelite, 3 de agosto de 1855 (clique para ampliar)
 
                 
            The Israelite, 17 de agosto de 1855 (clique para ampliar) 

Fonte: https://judaismoemaconaria.blogspot.com.br/2012/12/maconaria-foi-fundada-pelos-judeus-como.html

(*) Cristãos não são "convertidos ao deísmo ou ética de Moisés e dos Profetas", mas ao Senhor Jesus. Se fossem, estariam ainda sacrificando animais pelos pecados, apedrejando adúlteras e esperando a primeira vinda do Messias, por exemplo. O rabino se refere ao falso evangelho, o evangelho sionista israeólatra e talvez também em referência a nova religião mundial, as 7 Leis de Noé.   

Abraços

sábado, 1 de outubro de 2016

Maçonaria Kosher

Maximilian Kolbe aos maçons: vocês são controlados pelos judeus

         
Maximiliano Maria Kolbe nascido Rajmund Kolbe, foi um padre missionário franciscano polonês. Nasceu em 8 de janeiro de 1894, Zduńska Wola, Polônia. E faleceu em 14 de agosto de 1941, Auschwitz, Oświęcim, Polônia.

http://www.traditioninaction.org/History/G_010_Kobe_Jewsl.html

Em 1917 Maximilian Kolbe fundou a Milícia da Imaculada. Sua luta não era voltada para matar os inimigos da Igreja, mas almejava convertê-los de forma que pudessem atingir a salvação eterna. Munido desse espírito ele dirigia-se aos seus inimigos.

Num artigo intitulado “Aqueles Pobres”, ele descreve o ódio expressado para Cristo e Sua Igreja no Talmud:

“O homem foi redimido, e Cristo fundou Sua Igreja sobre uma rocha. Alguns dos povo Hebreu reconheceram-No como o Messias, mas outros – entre eles principalmente os Fariseus – não queriam reconhecê-Lo.  Em lugar, perseguiram seus Seguidores e lançaram numerosas leis obrigando os Judeus a perseguirem os Cristãos.  Essas leis, ao lado e estórias e apêndices, se tornaram seu livro sagrado chamado Talmud, por volta do ano 500.

Nesse livro, os Cristãos são chamados de idólatras, piores que os turcos, assassinos, libertinos impuros, animais em forma humana, piores do que animais, filhos do demônio etc. Padres católicos são chamados de videntes e tolos carecas … a Igreja é chamada uma casa de estupidez e sujeira, estátuas sagradas, medalhas e rosários são chamados de ídolos. No Talmud, domingos e dias obrigatórios de festividades são considerados dias de perdição.

Esse livro ensina, entre outras coisas, que um Hebreu pode enganar um Cristão e roubá-lo na medida em que todas as propriedades de um Cristão são – desde o próprio texto – ‘como o deserto, o primeiro a tomá-los torna-se o proprietário.’

Esse livro, escrito em 12 volumes e respirando ódio a Cristo, é considerado pelos Fariseus um livro sagrado, mais importante que as Sagradas Escrituras.”

          Structure of Freemasonry
           A estrutura secreta da Maçonaria é controlada pelos judeus.

Ao tempo do Congresso Internacional da Franco-maçonaria em Bucareste, em 1926, Pe. Kolbe escreveu o artigo "Rycerz Niepokalanej" [O Cavalheiro da Imaculada] em que se lê:

“Esses homens [os Franco-maçons] acreditam que são aqueles que governarão tudo, mas vamos ouvir o que está escrito nos Protocolos dos Sábios de Sião. Protocolo n. 11 declara que: ‘Nós criaremos e colocaremos em prática as leis e os governos … nos momentos oportunos ... por meio de rebeliões nacionais. ... O que nós queremos é que as multidões, desorientadas pela revolta, ainda numa condição de terror e incerteza, deveriam entender de uma vez e por todas que somos tão fortes, tão intocáveis, tão poderosos que de nenhuma forma levaremos em conta suas opiniões e desejos.  Em vez disso, nós estamos prontos e somos capazes de romper, com irresistível poder, suas manifestações em qualquer momento e em todo lugar. ... Então, com temor e tremor, eles fecharão seus olhos a tudo e aguardarão as conseqüências. …

Por qual propósito criamos essa política e a insinuamos ao interior das mentes dos maçons, sem dar-lhes qualquer possibilidade de examinar seu significado fundamental? ... Isso é o que serviu como a base para nossa organização secreta da Maçonaria, cuja existência não é conhecida ou mesmo suspeita por esse rebanho bovino atraído por nós ao exército das lojas maçônicas.”

Aqui, o Pe. Kolbe dirige-se aos maçons, dizendo: 

“Franco-maçons, vocês ouviram isso? Os Hebreus, que os têm organizado secretamente e dirigido secretamente, consideram-lhe como bestas, recrutadas às lojas maçônicas para fins que você nem conhece ou suspeita … Vocês estão cientes, franco-maçons, do que aguarda aqueles entre vocês que começarão a pensar por si mesmos? Preste atenção a isso no mesmo Protocolo: ‘Morte é a inevitável conclusão de toda vida … Nós executaremos os maçons de uma forma que nenhum possa suspeitar, nem mesmo as próprias vítimas: Eles morrerão todos no momento que seja considerado necessário, aparentemente por causa de doenças comuns.’”

Pe. Kolbe queria salvar os judeus, mas isso não o impediu de denunciar sua conspiração.

O santo fundador continua:

“Franco-maçons, vocês que recentemente durante o Congresso de Bucareste contentaram-se com o fato que a maçonaria está se tornando mais forte em toda parte, reflitam bem e respondam sinceramente: não é melhor server o Criador com paz interior … do que obedecer as ordens daqueles que os odeiam?”

Finalmente, Maximilian Kolbe dirige-se aos chefes secretos da Franco-maçonaria com essas palavras:

“E vocês, pequeno esquadrão de Hebreus, os ‘sábios de Sião’, que já provocaram conscientemente tantas desgraças e estão preparando ainda outras, a vocês eu dirijo essa pergunta: O que vocês ganharão? … Um gigantesco acúmulo de ouro, prazeres, diversões e poder, mas nada disso torna o homem feliz. E se ainda fosse dar alguma felicidade, por quanto tempo duraria? Dez anos talvez, ou vinte … Eu pergunto a vocês, líderes Hebreus, vocês que têm se deixado seduzir por Satã, o inimigo da humanidade, não seria melhor parar vocês também retornar sinceramente a Deus.”

Noutro artigo de 1926, Pe. Kolbe, novamente citando os Protocolos dos Sábios de Sião, escreveu:

“Eles dizem de si mesmos: ‘Quem ou o que está numa posição de derrubar uma força invisível? E isso é precisamente o que é nossa força. A Franco-maçonaria gentia somente serve como uma cortina para nós e nossos objetivos, mas nosso plano de ação sempre permanecerá desconhecido pelo povo.”

O Santo então apresenta sua posição com irona sutil:

Mas nós somos um exército cujo ‘Comandante’ conhece cada e todos seus inimigos, que tem observado e observa cada uma de suas ações ocultas, cada uma de suas palavras, e até mesmo seus completos pensamentos. Perguntem a si mesmos, sob tais condições, pode alguém falar de planos secretos, ações clandestinas e invisibilidade?”

E aqui o Pe. Kolbe revela o nome do “Comandante” de seu exército:

“É a Virgem Imaculada, o refúgio dos pecadores, mas também aqueles que pisam a Serpente infernal.  Ela esmagará sua cabeça!”

Fonte: https://judaismoemaconaria.blogspot.com.br/2016/06/maximilian-kolbe-aos-macons-voces-sao.html

Só mais uma amostra da farsa que é o "diálogo ou herança judaico-cristã".

Abraços

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Diálogo judaico-cristão



Citação do livro sagrado dos judeus, o Talmud Babilônico em Shabbat 116A diz:

"O Novo Testamento (Os Evangelhos) deve/deveria ser queimado."

Abraços

domingo, 25 de setembro de 2016

Para reflexão

         

"Você deve começar pela cura da alma, essa é a primeira coisa."
Sócrates

"You must begin by curing the soul; that is the first thing."
Socrates

Costuma-se dizer que precisamos aperfeiçoar as instituições, mas para quê se o problema são as pessoas?! Que se aperfeiçoem as pessoas que, por consequência, teremos instituições corretas.

Abraços

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Para reflexão



"A Democracia é o regime político em que o cidadão confia os interesses públicos a homens a quem ele nunca confiaria seus interesses privados."
- Nicolas Gómez Dávila

"Democracy is the political regime in which the citizen entrusts the public interests to those men to whom he would never entrust his private interests."
- Nicolás Gómez Dávila

Abraços

sábado, 3 de setembro de 2016

Democracia precisa de babá?


Ok que é o povo brasileiro está vivendo mais um golpe de Estado novamente perpetuado pelos mesmos agentes de sempre e tudo o mais, porém, o discurso comum atualmente e insistente é que "devemos defender a Democracia", "que a Democracia está em risco", "que sofre grave golpe" e por aí vai. Então quer dizer que é o povo que deve defende-la?! Não é ela que defende o povo?! Se o povo que deve defender a Democracia, quem vai defender o povo então?! Que joça é essa Democracia que é tão débil que qualquer coisa a abala?! Que sistema político é esse que qualquer quadrilha de malfeitores e corruptos consegue pôr em risco e deixa o povo desamparado?! Que regime é esse que possibilita a criação e acolhimento de tantos corruptos?! Que regime confeitado é esse que não pune severamente os corruptos, os assaltantes do erário do povo?!

Se a Democracia não consegue defender o povo, para quê serve?! Se não serve, que seja abandonada, dispensada, trocada por um regime ou ideologia política que seja forte por si mesmo e que exerça a função que a Democracia não têm mostrado competência ou funcionalidade.

Devemos proteger o povo e sua soberania patrimonial, territorial e moral. Se a Democracia não se presta para isso, abandonemo-la sem remorsos. E que procuremos um regime ou ideologia política que supra as necessidades e os sonhos do povo sem que esse mesmo povo precise ser sua babá.

Não é o povo que existe para o regime político, é o regime que existe para o povo.

A Democracia, o correto é Vulgocracia, de direita, centrou ou esquerda, é um circo que só palhaço acredita. E o palhaço ainda é burro e pagante. Alguém duvida?

Abraços