domingo, 30 de março de 2014

Como o Talmud foi descoberto

Como a Igreja Católica descobriu o Talmud 

          
                  Queima do Talmud.

E. Michael Jones

A cruzada começou em 1236 quando Nicholas Donin, um judeu apóstata, tornou-se cristão e dominicano. Donin pediu uma audiência com o Papa Gregório IX. Ao recebê-lo, Donin chamou a atenção do Papa para as blasfêmias na coleção de escritos hebraicos conhecida como Talmud. As sinceras opiniões de Donin causaram sua expulsão da sinagoga 11 anos mais cedo. Assim, a vingança pode ter sido um motivo, mas Donin tinha consigo uma aguda compreensão do papel do Talmud na vida Judaica. Era, como Graetz alegava, “o suporte principal da civilização Judaica”; era também cheio de blasfêmias – alegando, entre outras coisas, que Cristo estava sendo cozido em excrementos ferventes no inferno e que era o filho ilegítimo de um soldado romano e uma prostituta chamada Maria.

A Enciclopédia Judaica, por exemplo, discutindo a dívida de Celso ao Judaísmo, observa que “ele afirma que Jesus era o filho ilegítimo de um certo Panthera, e novamente que ele havia sido um criado no Egito, não enquanto criança conforme o Novo Testamento, mas quando ele já era crescido, e que havia aprendida a arte secreta. Esses relatos são freqüentemente idênticos àqueles do Talmud.” De acordo com uma outra fonte, os Judeus “chamam Cristo o filho ilegítimo de uma prostituta, e a Santíssima Virgem Maria, uma coisa abominável dizer ou pensar, uma mulher fogosa ou luxuriosa, e que eles os amaldiçoam conjuntamente, e a fé Romana, e todos seus membros e crentes.”

Antes de Donin, o Talmud era virtualmente desconhecido entre os Cristãos, que, como o Papa Gregório IX, laboravam sob a ilusão que os Judeus meramente seguiam a Torah, livros que os Católicos também consideravam canônicos. Como resultado dessas descobertas, “o Talmud repentinamente se tornou o alvo principal do anti-Judaísmo Cristão.” A campanha contra o Talmud é o início da mudança na atitude da Igreja em direção aos Judeus. Sicut Judaeis non nunca mudou desde o tempo de São Gregório o Grande até o tempo dos Mendicantes. O que mudou foi a compreensão da Igreja dos Judeus. Eles foram, nos olhos da Igreja, transformados de essencialmente cegos seguidores de uma compreensão perversa da Torah em revolucionários sociais grandemente como resultado da descoberta do Talmud e suas blasfêmias.

Gregório IX foi o primeiro Papa a descobrir o Talmud. Ele ficou chocado pelo que descobriu, mas não ab-rogou Sicut Judaeis non e sua proibição de não prejudicar os Judeus. O mudou foi sua compreensão do que os Judeus acreditavam e como eles agiam sob aquelas crenças.

         
O Papa Gregório IX, nascido Ugolino di Anagni (Anagni, ca. 1160 — Roma, 22 de Agosto de 1241) foi Papa de 1227 a 1241. Filho do conde de Segni e sobrinho do Papa Inocêncio III, estudou direito em Paris e Bolonha. Feito cardeal em 1198, tornou-se cardeal-bispo de Óstia em 1206. Foi um importante incentivador dos dominicanos e dos franciscanos, tendo sido amigo pessoal do próprio São Francisco de Assis.

Em 9 de junho de 1239, o Papa Gregório respondeu às 35 petições de Donin, despachando-lhe uma carta ao bispo de Paris, William de Auvergne. Os Judeus, escreveu Gregório, “assim escutamos, não estão satisfeitos com a Lei Antiga que Deus deu a Moisés na escrita: eles até ignoram-na completamente e afirmam que Deus deu-lhes uma outra Lei que é chamada ‘Talmud’, isto é, ‘Ensinamento’, passado de geração em geração oralmente para Moisés... Nisto está contido assuntos tão abusivos e tão impronunciáveis que estimulam a vergonha naqueles que mencionam-nos e horror naqueles que escutam-nos.” As ofensas são tão grandes que Gregório usa a palavra “crime” para descrevê-las.

Angustiado com o prejuízo que ele criava, São Luis IX, Rei da França, convocou uma conferência sobre o Talmud. Em junho de 1240, Nicholas Donin teve um prolongado debate com o Rabino Yehiel bem Joseph de Paris, sob os auspícios reais e presidido pela Rainha-Mãe, Blanche de Castile.

Com defensores como o Rabino Yehiel, o Talmud não precisava de inimigos. O debate resultou na queima pública do Talmud em Paris. A religião Judaica era agora claramente vista não como Judaísmo bíblico, mas particularmente como um desvio herético do Antigo Testamento. Por um período de 36 horas em junho de 1242, mais de 10.000 volumes foram atirados às chamas. Como se determinava provar o que os Cristãos haviam dito era correto, um grupo de Judeus apelou a Roma, “reclamando que eles não podiam praticar sua religião sem o Talmud”. “Mais uma vez”, escreve um comentarista Judeu, “foi o Papa a quem os Judeus viraram-se em sua situação difícil”. Em maio de 1244, Inocêncio IV apiedou-se: “obrigado como nós somos pelo mandamento divino a tolerá-los em sua Lei, pensamos ser adequado dar-lhes como resposta que não queremos privá-los de seus livros se como resultado devêssemos estar-lhes privando de sua lei.” A decisão de retornar o Talmud aos judeus causou escândalo. Um bispo concluiu que os Judeus haviam mentido ao Papa, e seria “mais desgraçado e uma causa de vergonha para o Trono Apostólico se os livros que haviam sido tão solenemente e tão justamente queimados na presença de todos os estudiosos e do clero, e da populaça de Paris fossem devolvidos aos mestres dos Judeus na ordem do Papa – pois tal tolerância pareceria aprovação.” Em 1254, Luís IX renovou a lei ordenando a queima do Talmud, como fizeram seus sucessores. Quando Luís X readmitiu os Judeus na França, ele barrou-os de trazer consigo o Talmud.

Uma vez que o Judaísmo cessou de ser a religião do Antigo Testamento na mente da Igreja, ficou interpretado em seu lugar como uma heresia que inclui-se na jurisdição de guarda doutrinária da Igreja. O Talmud era uma ofensa não somente contra os Cristãos, mas contra a vida religiosa dos Judeus também, que permitia ao Papa intervir em seus assuntos “se violassem a lei do Evangelho em matéria moral e seus próprios prelados não os detivessem” ou “se eles inventassem heresias contra sua própria lei.” “A linha de pensamento de Inocêncio rapidamente se tornou a opinião comum dos canonistas do século XIII e XIV.” A Igreja, de acordo com o inquisidor Dominicano Nicholas Eymeric, agora tinha o direito e dever de “defender o Judaísmo genuíno contra a heresia interna e, através disso, trazer os Judeus mais perto de uma aceitação do Cristianismo.”

Os Judeus eram heréticos de sua própria religião, e na medida em que a Torah era parte do cânone da Escritura Cristã, eles eram heréticos no sentido Cristão, igualmente. Na medida em que heresia não era uma matéria de indiferença às autoridades civis, os Judeus Talmúdicos perderam a tolerância que as figuras cega e carnal do Antigo Testamento experimentavam e se tornaram personae extra legem, isto é, foras-da-lei.

A descoberta do Talmud mudou a questão Judaica fundamentalmente. O que costumava ser uma questão de tolerância religiosa se tornou um assunto de ordem civil. O rei Cristão podia tolerar intrusos que baseavam sua religião em uma defeituosa, porém sincera compreensão do Antigo Testamento; ele não poderia tolerar foras-da-lei e subversivos usando a religião como máscara para a revolução social. Os Judeus foram categorizados como criminosos; como pessoas que promoviam “violência ilegal”. Eles eram, diz Cohen, “não mais Judeus da Bíblia, a quem o direito de existência na Cristandade havia sido garantido.”

Em 1267, Clemente IV publicou a bula Turbato Corde. O decreto de Clemente era consistente com a interpretação dos Judeus Talmúdicos como subversivos. Na medida em que os Judeus eram heréticos em sua própria religião e induziram Cristãos insuspeitos a abraçar sua heresia, eles seriam atraídos para a Inquisição, o mecanismo construído para combater heresia. O assunto da conversão também desempenhava um papel. Se os Judeus aceitassem o batismo, era presumido que eles aceitaram-no livremente, e não era permitido ao Judeu decair à vida anterior, como um cachorro retornando ao seu vômito. Se ele recaísse na mesma falta, ele era para ser tratado como um herético, não um infiel tolerado por causa da ignorância. Porque a teologia do sacramento do batismo alegava que aquele sacramento deixava uma marca indelével na alma, “é necessário que ele seja forçado a sustentar a fé que aceitaram sob coação ou por necessidade, para que o Nome do Senhor não caia em má reputação, e a fé que eles aceitaram seja sustentada vil e desprezível.”

Como nós vimos, o Judaísmo, de acordo com a nova percepção Católica, não era uma religião; era uma ideologia revolucionária. Expondo o Talmud, os Judeus privaram-se de qualquer entendimento correto da Bíblia; sua lealdade, de acordo com Martini, repousa na Anticristo. Como resultado, “o redentor a quem eles agora esperam no fim do Império Romano é realmente o Anticristo.”

Em 6 de novembro de 2002, porém, o Cardeal Walter Kasper, presidente da Comissão do Vaticano pelas Relações Religiosas com os Judeus, anunciou na Faculdade de Boston que os Judeus “no intuito de se salvarem” não “devem se tornar Cristãos; se eles seguem sua própria consciência e acreditam nas promessas de Deus como eles compreendem-nas em sua tradição religiosa estão alinhados ao plano de Deus, que para nós vem até sua plenitude histórica em Jesus Cristo”.

Fonte:  “The Jewish Revolutionary Spirit”, Fidelity Press, South Bend, Indiana, 2008, pp. 118-131

Fonte : http://judaismoemaconaria.blogspot.com.br/2012/02/como-igreja-catolica-descobriu-o-talmud.html
_______________________________________________________________

Um exemplar do Novo Testamento foi rasgado por um deputado israelense de extrema direita, praticante do judaísmo.

         
         Deputado israelense rasga Novo Testamento e joga no lixo.

Ben-Ari afirma que NT  “promoveu o assassinato de milhões de judeus durante a Inquisição”

por Jarbas Aragão

O deputado do parlamento israelense (Knesset), Michael Ben-Ari, rasgou um Novo Testamento e atirou-o ao lixo em frente às câmaras em seu gabinete.

De acordo com o site israelense NRG, 120 deputados receberam cópias do Novo Testamento como presente de Victor Kalish, diretor-executivo de uma editora cristã especializada na distribuição de textos religiosos em Israel.

O deputado Ben-Ari, membro do ultranacionalista Partido da União Nacional, sentiu-se ofendido e justificou seu ato dizendo que “este livro abominável promoveu o assassinato de milhões de judeus durante a Inquisição. É uma horrenda provocação missionária da Igreja Cristã. Não há dúvidas que este livro e seus remetentes pertencem ao lixo da história”.

Ele lembrou ainda que muitos cristãos perseguiram os judeus, ao longo dos séculos, acusando-os de serem os responsáveis pela crucificação de Jesus. (E não foram? Acaso o Sinédrio é composto por marcianos?)

O porta-voz do governo Mark Regev disse: “Lamentamos este comportamento e condenamos sem rodeios. Essa ação está em desacordo com os nossos valores e nossas tradições. Israel é uma sociedade tolerante, mas temos tolerância zero para este tipo de ato desprezível e odioso”. ("Sociedade tolerante", sei. Perguntemos aos negros de lá)

Kalish justificou que enviou as Bíblias com uma carta explicando que se tratava de uma edição especial, com mais de 90 mil referências. “Trata-se de um precioso fruto da cooperação entre as Sagradas Escrituras e cristãos de todo o mundo, que lança luz sobre o Antigo Testamento e ajuda a compreendê-lo”, explicou Kalish.

O ato gerou polêmica em Israel, mas foi noticiado que Tzipi Hovotely, membro do partido governista do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu,enviou um pedido ao presidente do Knesset, exigindo que seja proibida a distribuição de materiais missionários.

A Liga Anti-Difamação (ADL) divulgou um comunicado condenando o de ato Ben-Ari. “Como judeus, esperamos que os outros tratem os nossos livros sagrados com respeito e compreensão. Também devemos mostrar respeito pelos livros sagrados de outras religiões”, disse Abraham Foxman.

“Um membro do parlamento é um representante do Estado de Israel e não deveria mostrar um desrespeito tão grande por outra fé”, continuou Foxman. “Suas ações são contrárias aos valores judaicos e os padrões de uma sociedade democrática como Israel”.

A ADL enviou uma carta a Ben-Ari, sugerindo que a melhor resposta teria sido “chamar as autoridades competentes para investigar”. O grupo lembrou que a editora que enviou as Bíblias disse que sua intenção era “informar os parlamentares da riqueza dos textos religiosos produzidos em Israel”, e não para fazer proselitismo.

Outro membro do Knesset, Reuven Rivlin, do partido Likud, condenou o ato do colega. “Imagine o que aconteceria se um membro do Parlamento de outro país queimasse uma cópia do Torah, porque pensou que a enviaram como uma provocação”. “Democracia significa liberdade de expressão”, finalizou Rivlin, “e não a liberdade de ignorar os sentimentos dos seguidores de outras religiões”.

Fonte : http://resistenciacristaj.blogspot.com.br/2012/07/deputado-israelense-rasga-novo.html

No Talmud Babilônico diz:
"Os escritos dos minim (os cristãos) merecem ser queimados, mesmo que o santo nome de Deus esteja nele, para o paganismo é menos perigoso do que minuth (Cristianismo)."Shabbethai 116. 

Isso levanta a questão de saber se Israel é realmente a "democracia" tão propalada que afirma ser. Em Israel testemunho aberto por cristãos-gentios é proibida. Testemunhando pelos cristãos-judeus para adultos judeus é tolerada. É ilegal para qualquer cristão testemunhar para um menor israelense. (Código Penal Sec. 170, 172)

Diálogo judaico-cristão, valores judaico-cristãos, tá ... sei.

Abraços

6 comentários:

  1. Mais um "bom exemplo" da tolerância israelense está no vídeo do blog "Combater a Nova Ordem", do lado direito do seu blog, sobre os sudaneses.

    Para os talmudistas, tolerância sempre! De nossa parte, é lógico.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Demonstrações racistas contra os imigrantes Sudaneses em Israel, designados de 'infiltradores', mostram que o racismo do Estado de Israel continua a influenciar a sua população, e contagia os seus habitantes com xenofobia e ultra-nacionalismo. É interessante ver que o Estado de Israel está pronto a albergar Judeus- desde que não sejam negros

      https://www.youtube.com/watch?v=-XjHq5zdxKw

      Isso foi só uma das manifestações racistas ... foi só uma delas

      O Rei Dos Judeus Era César; Mas eles bradaram: Tira, tira, crucifica-o. Disse-lhes Pilatos: Hei de crucificar o vosso Rei? Responderam os principais dos sacerdotes: Não temos rei, senão César.

      João:19:15 Leia o texto no contexto.

      Então Pilatos, vendo que nada aproveitava, antes o tumulto crescia, tomando água, lavou as mãos diante da multidão, dizendo: Estou inocente do sangue deste justo. Considerai isso.
      E, respondendo todo o povo, disse: O seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos.

      Mateus:27:24-25 Leia o texto no contexto.

      Conheço as tuas obras, e tribulação, e pobreza (mas tu és rico), e a blasfêmia dos que se dizem judeus, e não o são, mas são a sinagoga de Satanás.

      Apocalipse: 2:9

      https://www.youtube.com/watch?v=58Ze087cq9M

      Abraços

      Excluir
  2. Com relação ao Deputado israelense, lembro que na época do ocorrido vi tal noticia em um site evangélico e veja só a maioria dos que comentavam estavam a favor do deputado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Colocam os judeus, que foram excluídos da Graça por Deus devido ao crime de deicídio, acima até dos próprios irmãos de fé ... patético.

      Eu li os comentários.

      Abraços, Mário.

      Excluir
    2. Cobalto, voce teria como disponibilizar um pdf com uma traducao legitima do Talmud da babilonia?

      Esse foi o que pareceu mais legitimo dos que achei
      https://ia801709.us.archive.org/31/items/TalmudDeJmmanuelCompleto.pdf/TalmudDeJmmanuelCompletoComCapa.pdf

      Mas mesmo assim tem coisas que acho muito sem noçao.

      obrigado

      Excluir
    3. Já li alguma coisa dessa versão "Jmmanuel" e não me passou nenhuma credibilidade:
      http://gospelbrasil.topicboard.net/t7517-talmud-de-jmmanuel

      PDF específico não tenho, mas talvez encontre em:

      https://www.google.com.br/search?q=Babylonian+Talmud+pdf&oq=Babylonian+Talmud+pdf&aqs=chrome..69i57&sourceid=chrome&ie=UTF-8

      https://www.google.com.br/search?q=Babylonian+Talmud+pdf&oq=Babylonian+Talmud+pdf&aqs=chrome..69i57&sourceid=chrome&ie=UTF-8#q=talmud+babilonico+em+portugues+pdf

      Abraço

      Excluir

"Numa época de mentiras universais, dizer a verdade é um ato revolucionário."
George Orwell

"Até que os leões tenham seus próprios historiadores, as histórias de caçadas continuarão glorificando o caçador."
Eduardo Galeano

Desejando, expresse o seu pensamento do assunto exposto no artigo.
Agressões, baixarias, trolls, haters e spam não serão publicados.

Seus comentários poderão levar algum tempo para aparecer e não serão necessariamente respondidos pelo blog.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste blog.

Agradecido pela compreensão e visita.