terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Racismo estatal de Israel

Israel não quer mais judeus etíopes no país.  

Outra reviravolta na política israelense sobre a imigração. A partir de 28 de agosto de 2013, as autoridades de Tel Aviv já não aceitar a entrada coletiva dos judeus etíopes em seu território, um funcionário da Agência Judaica, disse.

Judeus etíopes de vir para Israel
Judeus etíopes chegando à Israel.

É o fim de uma era para os judeus da Etiópia, especialmente para o judaísmo Falasha , que foi reconhecido por autoridades israelenses em 1975. A Agência Judaica para Israel, sob pressão de Tel Aviv, anunciou em uma carta ao seu representante na Etiópia, Asher Seyum, os dois últimos grupos * Voos "retorno" (aliá) de judeus etíopes em territórios israelenses decolaram 28 agosto de 2013. Serão as duas últimas viagens e de agora em diante apenas pedidos individuais de imigração serão examinados com cuidado, diz o documento.

Durante anos, Tel Aviv tem tentado reforçar a sua política de integração entre os estrangeiros, especialmente os judeus etíopes, temendo uma migração econômica africana.

Em 2010, Benjamin Netanyahu, anunciou o reforço das medidas de controle relacionadas com a entrada de imigrantes para Israel. Especialmente, em dezembro de 2012, uma revelação por um jornal israelense causou um escândalo. De acordo com eles, as mulheres pertencentes à comunidade Falasha etíope tinham sido forçadas a submeter-se a métodos anticoncepcionais obrigatórios e permanentes para  permissão para estabelecerem-se na terra prometida. Dentro de uma década, o processo descrito como crime inconcebível pela imprensa, reduziu a taxa de natalidade da população judaica falasha em Israel em 50%.

No entanto, essa minoria tem desfrutado a política de imigração israelense. Judeus etíopes estão agora 120.000 pessoas em território israelense, e 80.000 deles nasceram em Israel, onde a maioria dos que vieram, eles fizeram nos anos 80 e 90, enquanto que sofrem a fome na Etiópia. A maior operação desse tipo foi realizada em 1991, onde cerca de 14.400 judeus etíopes foram secretamente levados para terra prometida, em menos de 48 horas.

A integração está longe de ser perfeita, recém-chegados sofrem discriminação diariamente e racismo na sociedade israelense. Segundo a ONU, cerca de 52% das famílias judias etíopes que vivem abaixo da linha de pobreza, em comparação com 16% da população judaica de Israel como um todo, e que a grande maioria da comunidade etíope vive em guetos-like .

* Aliyah em hebraico significa "origem" ou "elevação espiritual". Este termo refere-se ao ato de imigrar para Israel.

Fonte : http://www.alertadigital.com/2013/07/12/israel-ya-no-quiere-mas-judios-etiopes-en-el-pais/

Foi para isso que criaram o Estado de Israel ? Foi para isso que o Brasil votou pela constituição deste estado, logo nós, que temos tantos descendentes de negros ?

Abraços

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Numa época de mentiras universais, dizer a verdade é um ato revolucionário."
George Orwell

"Até que os leões tenham seus próprios historiadores, as histórias de caçadas continuarão glorificando o caçador."
Eduardo Galeano

Desejando, expresse o seu pensamento do assunto exposto no artigo.
Agressões, baixarias, trolls, haters e spam não serão publicados.

Seus comentários poderão levar algum tempo para aparecer e não serão necessariamente respondidos pelo blog.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste blog.

Agradecido pela compreensão e visita.