quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Holocausto é uma fraude, informa documentação da Cruz Vermelha Internacional

Registros oficiais da Cruz Vermelha Internacional provam que o holocausto é uma fraude.

Registros liberados recentemente , selado há anos , demonstram que o total de mortes nos campos de concentração é de apenas 271.301.

[paage_1.jpg]

Para ver o documento ampliado :
http://4.bp.blogspot.com/_s5yaZ0Ye2Mo/RrU7Ouu69KI/AAAAAAAACkI/4Ody4MwX-WY/s1600-h/paage_1.jpg

Seis milhões de judeus não morreram ; a reivindicação toda foi uma completa invenção.

Durante anos , os judeus disseram a todas as pessoas ao redor do mundo que seis milhões deles foram sistematicamente assassinados em " campos de concentração" alemão  durante a 2ª Guerra Mundial . Qualquer pessoa que discuta esta reivindicação é cruelmente acusada como ódio anti-semita . Países de todo o mundo tem prendido pessoas para discutir a alegação de que 6 milhões foram mortos.

Aqui , agora, para todo o mundo ver , é uma imagem digitalizada de um documento oficial da Cruz Vermelha Internacional provando o chamado "Holocausto" nunca aconteceu. Judeus de todo o mundo mentiram intencionalmente com a finalidade de obter vantagens emocionais e de negócios para si mesmos. Eles cometeram intencional dolo , fraudes criminais em cima de milhões em todo o mundo!

 "O Holocausto" é a maior mentira já contada. Milhões de dólares foram pagos aos "sobreviventes do Holocausto" e seus descendentes por algo que não aconteceu. A reivindicação de um "Holocausto" foi uma fraude intencional, criminoso em uma escala tão grande que é quase incompreensível.

Veja abaixo a imagem digitalizada do relatório oficial do total de mortes da Cruz Vermelha Internacional.

[RedCrossRecordsShowHolocaustDeathTollFRAUD.jpg]

Eu chamo para o processo criminal os indivíduos e grupos que apresentaram falsas ações judiciais para obter reparações do Holocausto e indenizações financeiras, para perpetrar a fraude deliberadamente nos tribunais. Eu chamo para que sejam removidos as referências do Holocausto nos livros de história do e materiais educativos. Eu chamo para que seja removidos os Memoriais do Holocausto em todo o mundo.

Esta longa fraude intencional deve ser interrompida e aqueles que cometem a violência sejam levados à justiça por 60 anos de cruéis mentiras e fraudes financeiras.

Uma avaliação concreta do "Holocausto" pela Cruz Vermelha.
por nenhuma evidência de genocídio • sexta-feira 28 janeiro, 2005 às 07:09

Não há evidência de genocídio.

Os judeus e os campos de concentração:
Uma avaliação concreta pela Cruz Vermelha.

Há um estudo da questão judaica na Europa durante a Segunda Guerra Mundial e as condições dos campos de concentração da Alemanha, que é quase único em sua honestidade e objetividade, o Relatório de três volumes do Comitê Internacional da Cruz Vermelha em suas atividades durante a Segunda Guerra Mundial, Genebra, 1948.

Este relato abrangente de uma fonte inteiramente neutra incorporou e expandiu os resultados de dois trabalhos anteriores: Documentos sur l'activité du CICR ​​en faveur des CIVILS détenus dans les campos de concentração en Allemagne 1939-1945 (Genebra, 1946), e Inter Arma Caritas : o trabalho do ICRC durante a Segunda Guerra Mundial (Genebra, 1947). A equipe de autores, liderados por Frédéric Siordet, explicam nas páginas de abertura do relatório que o seu objeto, na tradição da Cruz Vermelha, tinham sido rigorosa neutralidade política, e aqui reside o seu grande valor.

O ICRC aplicado com sucesso em 1929 na convenção militar de Genebra, a fim de ter acesso a internados civis realizadas na Europa Central e Europa Ocidental pelas autoridades alemãs. Por outro lado, o ICRC não foi capaz de ganhar qualquer acesso na União Soviética, que não ratificou a Convenção. Os milhões de internados civis e militares realizados na URSS, cujas condições eram conhecidas por ser de longe a pior, foram completamente desligada de qualquer contato ou supervisão internacional.

O Relatório da Cruz Vermelha é de valor na medida em que primeiro esclarece as circunstâncias legítimas ao abrigo do qual os judeus foram detidos em campos de concentração, ou seja, como estrangeiros inimigos. Ao descrever as duas categorias de internados civis, o Relatório distingue o segundo tipo como "civis deportados por razões administrativas (em alemão," Schutzhäftlinge "), que foram presos por motivos políticos ou raciais, pois sua presença era considerada um perigo para o Estado ou as forças de ocupação "(vol. 111, p. 73). Estas pessoas, ele continua, "foram colocadas em pé de igualdade com pessoas detidas ou presas sob a lei comum por razões de segurança." (P.74).

O relatório admite que os alemães eram a princípio relutantes em permitir a fiscalização pela Cruz Vermelha de pessoas detidas por motivos relacionados com a segurança, mas no final de 1942, o ICRC obteve concessões importantes da Alemanha. Eles foram autorizados a distribuir cestas básicas para os principais campos de concentração na Alemanha a partir de agosto de 1942, e "a partir de fevereiro de 1943 esta concessão foi estendida a todos os outros campos e prisões" (Vol. 111, p. 78). O ICRC logo estabeleceu contato com comandantes de campos e lançou um programa de ajuda alimentar que continuou a funcionar até os últimos meses de 1945, pelo qual muitas cartas de agradecimento vieram de internados judeus.

Destinatários da Cruz Vermelha eram judeus.

O relatório afirma que " muitos como 9.000 pacotes/volumes foram embalados por dia. Desde o outono de 1943 até maio de 1945, cerca de 1.112.000 pacotes/volumes com um peso total de 4.500 toneladas foram enviados para os campos de concentração" (Vol. III, 80 p.) . Além de alimentos, continham roupas e insumos farmacêuticos. "As encomendas foram enviados para Dachau, Buchenwald, Sangerhausen, Sachsenhausen, Oranienburg, Flossenburg, Landsberg-am-Lech, Flöha, Ravensbrück, Hamburg-Neuengamme, Mauthausen, Theresienstadt, Auschwitz, Bergen-Belsen, para campos perto de Viena e no centro e sul da Alemanha. Os principais beneficiários foram os belgas, holandeses, franceses, gregos, italianos, noruegueses, poloneses e judeus apátridas "(Vol. III, p. 83).

No curso da guerra, "O Comitê estava em posição de transferir e distribuir na forma de suprimentos de emergência mais de vinte milhões de francos suíços coletados por organizações de bem-estar judeus em todo o mundo, em particular pelo American Joint Distribution Committee of New York " (Vol. I, p. 644). Esta última organização foi autorizado pelo Governo Alemão para manter escritórios em Berlin até a entrada dos Estados Unidos na guerra. O ICRC se queixou de que a obstrução de sua vasta operação de socorro para internados judeus não veio dos alemães, mas a partir do bloqueio aliado firme da Europa. A maioria de suas compras de mantimentos foram feitas na Romênia, Hungria e Eslováquia.

O ICRC fez um elogio especial para as condições liberais que prevaleceram em Theresienstadt até o tempo de suas visitas lá em abril de 1945. Este acampamento ", onde havia cerca de 40.000 judeus deportados de vários países era um ghetto relativamente privilegiado" (Vol. III, p. 75). De acordo com o relatório, "'delegados do Comitê puderam visitar o campo de Theresienstadt (Terezin) que foi usado exclusivamente para os judeus e era governada por condições especiais. Partir de informações recolhidas pela Comissão, este campo foi iniciado como uma experiência por certos líderes do Reich ... Estes homens queriam dar aos judeus o meio da criação de uma vida em comum em uma cidade sob sua própria administração e possuindo autonomia quase completa ... dois delegados puderam visitar o acampamento no dia 6 de abril de 1945. Eles confirmaram a impressão favorável ganhou na primeira visita "(Vol. I, p. 642).

O ICRC também teve elogios para o regime fascista da Romênia de Ion Antonescu, onde o Comitê foi capaz de estender especial relevo para 183 mil judeus romenos até o tempo da ocupação soviética. A ajuda então cessou, e o ICRC queixou-se amargamente que nunca sucedeu "em enviar qualquer coisa para a Rússia" (Vol. II, p. 62). A mesma situação aplica a muitos dos campos alemães após a sua "libertação" pelos russos. O ICRC recebeu um fluxo volumoso de correspondências de Auschwitz até o período da ocupação soviética, quando muitos dos internos foram evacuados para o Oeste. Mas os esforços da Cruz Vermelha para enviar alívio para os internos remanescentes em Auschwitz sob controle soviético eram fúteis. No entanto, pacotes de alimentos continuaram a ser enviadas para ex-detentos de Auschwitz transferidos para o oeste para campos como Buchenwald e Oranienburg.

Sem Evidências de Genocídio.

Um dos aspectos mais importantes do Relatório da Cruz Vermelha é que ele esclarece a verdadeira causa dessas mortes que, sem dúvida ocorreram nos campos no final da guerra. Diz o Relatório: "Na condição caótica da Alemanha após a invasão durante os meses finais da guerra, os campos não recebiam todos os suprimentos de comida e a fome fez um número crescente de vítimas. Alarmando-se com esta situação, o Governo alemão, por fim, informou o ICRC em 01 de fevereiro de 1945 ... Em março de 1945, as discussões entre o presidente do ICRC e do general da SS Kaltenbrunner deram resultados ainda mais decisivos. Socorro poderia passar a ser distribuída pelo ICRC, e um delegado foi autorizado a permanecer em cada campo ... "(Vol. III, p. 83).

Claramente, as autoridades alemãs se esforçaram para aliviar a situação difícil na medida em que eles eram capazes. A Cruz Vermelha é bastante explícita em afirmar que os alimentos deixaram neste momento devido ao bombardeio aliado aos transportes alemãos, e no interesse dos judeus internados eles protestaram em 15 de março de 1944 contra "a bárbara guerra aérea dos Aliados" (Inter Arma Caritas, p. 78). Por 2 de outubro de 1944, o ICRC alertou o Ministério do Exterior Alemão do iminente colapso do sistema de transporte alemão, declarando que as condições de fome para as pessoas em toda a Alemanha foram se tornando inevitáveis.

Ao lidar com isso, Relatório de três abrangentes volumes , é importante ressaltar que os delegados da Cruz Vermelha Internacional não encontraram qualquer evidência nos campos ocupados pelo Eixo na Europa de uma política deliberada de exterminar os judeus . Em todas as suas 1.600 páginas, o relatório não faz qualquer menção a tal coisa como uma câmara de gás . Ele admite que os judeus , como muitas outras nacionalidades em tempo de guerra , sofreram rigores e privações , mas o seu silêncio completo sobre o tema do extermínio planejado é ampla refutação da fábula dos Seis Milhões. Como os representantes do Vaticano com quem eles trabalharam , a Cruz Vermelha encontrou-se incapaz de entrar nas acusações irresponsáveis ​​de genocídio que se tornou a ordem do dia. Na medida em que a taxa de mortalidade real está em causa, o relatório indica que a maioria dos médicos judeus dos campos estavam sendo usados ​​para combater o tifo na frente oriental , de modo que não estavam disponíveis quando a epidemia de tifo de 1945 eclodiu nos campos (Vol. I, p 204 e ss. ) - Aliás , é frequentemente afirmado que as execuções em massa foram realizados em câmaras de gás disfarçadas como chuveiros. Novamente o Relatório torna sem sentido esta alegação. " Não são apenas os locais de lavagem , mas instalações para banhos, chuveiros e lavanderia foram inspecionadas pelos delegados. Eles tinham muitas vezes de tomar medidas primitivas para ter luminárias , e para obtê-los reparadas ou ampliadas " (Vol. III , p. 594 ) .

Nem todos foram internados.

Volume III do Relatório da Cruz Vermelha, capítulo 3 (I. População Civil judeu) lida com a "ajuda dada para a seção judaica da população livre", e este capítulo deixa bem claro que nem todos os judeus da Europa foram colocados em campos de internamento, mas manteve-se, sujeito a certas restrições, como parte da população civil livre. Isso entra em conflito diretamente com o "rigor" do suposto "programa de extermínio", e com a alegação nas memórias forjadas de Höss de que Eichmann estava obcecado com apreensão "cada judeu que ele poderia colocar suas mãos."

Na Eslováquia, por exemplo, onde o assistente de Eichmann, Dieter Wisliceny estava no comando, o relatório afirma que "Uma grande parte da minoria judaica teve permissão para permanecer no país, e em determinados períodos a Eslováquia foi compara a um paraíso aos refugiados judeus, especialmente para aqueles vindos da Polônia. Aqueles que permaneceram na Eslováquia parecem ter estado em relativa segurança até o final de agosto de 1944, quando um levante contra as forças alemãs ocorreu. Embora seja verdade que a lei de 15 de maio de 1942 tinha trazido sobre a internação de vários milhares de judeus, essas pessoas foram mantidas em campos onde as condições de alimentação e alojamento eram toleráveis​​, e onde os internados foram autorizados a fazer trabalho remunerado em termos quase igual aos do mercado de trabalho livre "(Vol. I, p. 646).

Não só um grande número de três milhões ou mais europeus judeus evitaram internamento por completo, mas a emigração dos judeus continuou durante toda a guerra, geralmente por meio de Hungria, Romênia e Turquia. Ironicamente, a emigração judaica do pós-guerra de territórios ocupados pelos alemães também foi facilitada pelo Reich, como no caso dos judeus poloneses que haviam escapado para a França antes de sua ocupação. "Os judeus da Polônia, que, enquanto na França, tinha obtido as autorizações de entrada para os Estados Unidos eram considerados cidadãos americanos pelas autoridades de ocupação alemãs, que aceitaram ainda a reconhecer a validade de cerca de três mil passaportes emitidos aos judeus pelos consulados de países sul-americanos "(Vol. I, p. 645).

Como futuros cidadãos norte-americanos, esses judeus mantidos no campo de Vittel no sul da França foram considerados como estrangeiros americanos. A emigração de judeus da Europa da Hungria, em particular, passou durante a guerra sem impedimentos pelas autoridades alemãs. "Até março de 1944," diz o Relatório da Cruz Vermelha, "os judeus que tiveram o privilégio de vistos para a Palestina estavam livres para deixar a Hungria" (Vol. I, p. 648). Mesmo após a substituição do Governo Horthy em 1944 (após a sua tentativa de armistício com a União Soviética), com um governo mais dependente da autoridade alemã, a emigração dos judeus continuou.

A Comissão garantiu os compromissos da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos "para dar apoio por todos os meios para a emigração de judeus da Hungria", e do governo dos EUA, o ICRC recebeu uma mensagem informando que "O Governo dos Estados Unidos ... repete agora especificamente a sua garantia de que serão tomadas providências por ele para o atendimento de todos os judeus que, nas circunstâncias atuais estão autorizados a sair "(Vol. I, p. 649).

Biedermann concordou que nos 19 casos em " Seis Milhões Realmente Morreram? " citados no Relatório do Comitê Internacional da Cruz Vermelha em suas atividades durante a Segunda Guerra Mundial e Inter Arma Caritas (isso inclui o material acima), fê-lo com precisão.

Uma citação de Charles Biedermann (um delegado do Comitê Internacional da Cruz Vermelha e do Diretor do Serviço de Rastreamento Internacional da Cruz Vermelha), sob juramento, no julgamento de Zündel (9 de fevereiro de 10, 11 e 12, 1988).

O texto acima é o capítulo 9 do livro " Seis Milhões Realmente Morreram? "


Para o livro completo de " Seis Milhões Realmente Morreram? ", clique aqui.
http://www.ihr.org/books/harwood/dsmrd01.html

http://thunderbay.indymedia.org/news/2005/01/18220.php

http://just-another-inside-job.blogspot.com.au/2007/06/official-records-from-international-red.html

Fonte :  http://www.fourwinds10.net/siterun_data/history/zionism/news.php?q=1363622820

Abraços

24 comentários:

  1. Cobalto, eu já lhe passei o link onde comparo o ben abraham com o relatório da Cruz Vermelha? Se não, compare só:

    http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2012/06/ben-abraham-x-cruz-vermelha.html

    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Não, caro FAB29.

    Bom.

    Um vídeo para seu trabalho
    https://www.youtube.com/watch?v=IhlbBdZ8A90

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. Desculpe, mas não me chamo Cruz Vermelha e muito menos Herman Rosenblat.

      Excluir
  4. O que há de REAL sobre a segunda guerra são os 5 milhões de alemães que morreram até o fim da guerra mais os 12 milhões de alemães que foram mortos após o término da mesma. https://www.youtube.com/watch?v=GMCOKNCwHmQ assim como , as provas confessionais «La historia será amable conmigo, porque tengo intención de escribirla». Winston Churchil

    Die Nazis und die Juden in Palästina arbeiteten zusammen, wie sie es auch für die nächsten sieben Jahre halten würden. Der banale Grund dafür ist, dass sie in der Essenz das Gleiche wollten. Die Juden in Palästina wollten, dass alle Juden in Palästina wohnten und die Nazis wollten die Juden aus Deutschland heraus haben. Beide Seiten unterschrieben deshalb ein Transfer Argument bekannt als ,, Ha’avara“, https://de.wikipedia.org/wiki/Ha%E2%80%99avara-Abkommen welches den Transfer von Juden samt all ihrem Geld von Deutschland nach Palästina erlaubt. Interessanterweise befindet sich die ZENTRALSTELLE FÜR JÜDISCHE AUSWANDERUNG im Rotschild Palais in Wiens Prinz-Eugen-Str. 20-22.

    Als Resultat dieser Vereinbarung emigrierten 60.000, ungefähr 20% der Juden Deutschlands, nach Palästina, und machten im Jahr 1939 einen Prozentualen Anteil von 15% der jüdischen Population aus. Sie nahmen 40 Millionen Dolar an Vermögen mit (heute ungefähr 600 Millionen wert) unter dem Segen des Nazi Regime. Gemäß dem United States Holocaust Memorial Museum: ,, .... hatten bis zum September 1939 zirka 282.000 Juden Deutschland verlassen und 117.000 das anektierte Österreich. Von diesen emigrierten 95.000 in die Vereinigten Staaten, 60.000 nach Palästina, 40.000 nach Großbritanien, und ungefähr 75.000 nach Zentral-und Südamerika, wobei, die größten Zahlen nach Argentinien, Brasilien, Chile und Bolivien gingen.

    Mehr als 18.000 Juden des Deutschen Reiches konnten Zuflucht in Shangai im japanisch besetzen China finden. Am Ende von 1939 blieben etwa 202.000 Juden in Deutschland und 57.000 im annektierten Österreich, viele von ihnen Ältere“

    Interessanterweise werden all diese Juden, die Deutschland schon freiwillig verliessen, bevor der 2. Weltkrieg überhaupt anfing, als ÜBERLEBENDE DES HOLOCAUSTS bekannt und erhalten die Berechtigung zur Zahlung von Entschädigungen nach dem Ende des 2. Weltkrieges.

    Dies ist, da die Definition eines Holocaust Survivors wie folgt lautet:

    ,, Jeder Jude, der in einem Land zu der Zeit gewohnt hat, als es
    1. sich unter Nazi Regime befand
    2. sich unter Nazi Besetzung befand
    3. sich unter dem Regime von Kollaborateuren der Nazis befand sowie jeder Jude, der aufgrund des obigen Regimes oder Beschäftigung floh.“
    Quelle: S. 127 aus dem Buch SATANS BANKER von Andrew Carrington Hitchcock, J.K.Fischer-Verlag 2009

    ResponderExcluir
  5. Os Nazistas e judeus na Palestina trabalharam juntos, o que se manteria também nos próximos sete anos. O motivo banal para isso é, que ambos almejavam a mesma coisa. Os judeus na Palestina queriam que todos os judeus habitassem na Palestina e os nacional socialistas queriam os judeus fora da Alemanha. Por isso ambas as partes assinaram um ARGUMENTO DE TRANSFERÊCIA conhecido como ,,HÁ’AVARA”, https://pt.wikipedia.org/wiki/Acordo_Haavara que autorizava a TRANSFERÊNCIA DE TODOS OS JUDEUS COM O SEU DINHEIRO PARA A PALESTINA. Surpreendentemente o CENTRO DE EMIGRAÇÃO JUDAICA encontra-se no Palácio Rotschild em Wiena, rua Prinz-Eugen 20-22.
    Como resultado desse acordo emigraram 60.000, aproximadamente 20% dos judeus alemães, para a Palestina, e somavam uma participação percentual de 15% da população judia. Eles levaram a fortuna de 40 milhões de dólares ( hoje um valor próximo aos 600 milhões de dólares) SOB AS BÊNÇÃOS DO REGIME NAZISTA. COFORME ESTÁ REGISTRADO NO MEMORIAL DO HOLOCAUSTO NOS ESTADOS UNIDOS, CERCA DE 282.000 JUDEUS HAVIAM DEIXADO A ALEMANHA, ASSIM COMO , 117.000 A AUSTRIA ANEXADA ATÉ SETEMBRO DE 1939. DESTE TOTAL 95.000 EMIGRARAM PARA OS EUA, 60.000 PARA A PALESTINA, 40.000 PARA INGLATERRA E APROXIMADAMENTE 75.000 PARA A AMÉRICA CENTRAL E AMÉRCIA DO SUL, SENDO QUE MUITOS DELES PARTIRAM PARA A ARGENTINA, BRASIL, CHILE E BOLIVIA
    MAIS DE 18.000 JUDEUS DO REINO ALEMÃO PUDERAM ENCONTRAR ABRIGO EM SHANGAI, NA CHINA OCUPADA PELO JAPÃO. NO FIM DE 1939 RESTAVAM ALGO EM TORNO DE 202.000 JUDEUS NA ALEMANHA E UNS 57.000 NA AUSTRIA ANEXADA, MUITOS DELES IDOSOS”

    Destaca-se de forma peculiar que todos os judeus que deixaram a Alemanha espontaneamente, sobretudo antes do início da guerra tornaram-se conhecidos como SOBREVIVENTES DO HOLOCAUSTO e adquiriram o direito à indenização após o término da guerra.

    Esta é a definição de SOBREVIVENTE DO HOLOCAUSTO, conforme o cânone

    TODO JUDEU QUE TENHA VIVIDO EM UM PAÍS EM QUE
    1. SE ENCONTRAVA SOB REGIME NAZISTA
    2. SE ENCONTRAVA OCUPADO POR NAZISTAS
    3. SE ENCONTRAVA SOB REGIMES QUE COLABORAVAM COM O NAZISMO, ASSIM COMO TODO JUDEU QUE TENHA FUGIDO DE QUALQUER UM DESTES REGIMES.

    Fonte: página 127 do livro SATANS BANKER von Andrew Carrington Hitchcock, J.K.Fischer-Verlag 2009 em português http://forum.antinovaordemmundial.com/attachment.php?aid=542

    ResponderExcluir
  6. numero pode ser menor que os 6 mi....mas e muito maior que esses 270.000 colocados!
    E dizer que os judeus eram bem tratados nos campos e piada....no gueto de Varsovia, com a Alemanha vencendo a guerra em 41.....mostra-se pessoas morrendo, mortas nas calcadas.....ha videos sobre isso no youtube.....e distorcer a realidade.....so faltam dizer que nao foi a Alemanha quem comecou a guerra.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem sim, nem não, bem pelo contrário.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  7. "SIX MILLION JEWS" reference in ten newspapers between 1915 - 1938 (HD)

    https://www.youtube.com/watch?v=VEJ_7vJIuUc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradecido pelo vídeo. E veja "Cuidado com os jornais":
      http://desatracado.blogspot.com.br/2015/01/cuidado-com-os-jornais.html

      Abraço

      Excluir
  8. Irmão, é praticamente impossível reverter a farsa do holocausto judaico, os atuais judeus controlam a arma mais poderoso da terra e através dela eles dão vida, levantam ou derrubam quem ou o que eles quiserem: A mídia!(televisiva, escrita e falada).Controlam também os governos,os bancos, o petróleo, resumindo...até a volta do verdadeiro dono, o Messias, são os donos do mundo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E disse-lhes: Acautelai-vos e guardai-vos da avareza; porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui.
      E propôs-lhe uma parábola, dizendo: A herdade de um homem rico tinha produzido com abundância;
      E arrazoava ele entre si, dizendo: Que farei? Não tenho onde recolher os meus frutos.
      E disse: Farei isto: Derrubarei os meus celeiros, e edificarei outros maiores, e ali recolherei todas as minhas novidades e os meus bens;
      E direi a minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e folga.
      Mas Deus lhe disse: Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?
      Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus.
      Lucas 12:15-21

      Excluir
  9. O que você vai ver neste filme vai chocá-lo!

    Ver este filme dos campos de concentração e de 11:33, à frente de um pequeno filme e ver que nestes campos de concentração, não havia judeus colocados na câmara de gás, os campos tinham piscina, teatro, campos de futebol e até mesmo dinheiro em circulação no campos, para os judeus para comprar comida na cantina.

    Salve o vídeo, os holoax o deletarão.

    http://www.youtube.com/watch?v=Tnr3f-vaesQ


    ResponderExcluir
  10. Olha ... esclarecer se houve exagero mal intencionado nos números de mortos nos Campos de Concentração é historicamente correto e moral e psicologicamente salutar para a Verdade e, especialmente, para o povo alemão. Agora, dizer que APENAS 270.000 seres humanos ali morreram, é, pelo menos um tremendo descuido de linguagem. Toda vida merece respeito, certo ??? ... então, 270.000 PESSOAS morreram nesses campos ... sem o malfadado APENAS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O bombardeio aliado sobre uma única indefesa cidade aberta, Dresden, já morreram mais que o dobro.

      A capital da Saxônia, Dresden, cidade aberta e completamente indefesa e sem indústria bélica, foi bombardeada pela aviação britânica e americana durante 37 horas, nas quais 3.600 aviões lançaram 650 mil bombas incendiárias fora as explosivas e outras, convertendo a chamada "Florença do Elba", conhecida por seu rico patrimônio cultural, em um campo de ruínas. Era mais de uma bomba por habitante. Nesse evento macabro e não badalado pelo Jornalismo e Cinema, morreram mais que a soma de Nagasaki e Hiroshima. E tudo já no finalzinho da guerra que ocorreu uns 20 dias depois.

      Quase um século após, ainda se acham bombas daquele período enterradas no solo, no fundo de lagos e rios de toda a Alemanha. É caso único no mundo.

      http://noticias.terra.com.br/mundo/berlim-tem-3-mil-bombas-da-2-guerra-saiba-como-elas-sao-desativadas,5f39ddb6650ea310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html

      http://www.jornalopcao.com.br/colunas/carta-da-europa/os-perigos-do-subsolo-alemao

      http://noticias.r7.com/record-noticias/videos/bomba-da-2-guerra-mundial-e-encontrada-e-desarmada-na-alemanha/idmedia/4edced93b51a6523b980f5eb.html

      Melhor procurar assim:

      https://www.google.com.br/webhp?sourceid=chrome-instant&ion=1&espv=2&ie=UTF-8#q=bombas%20ainda%20hoje%20s%c3%a3o%20encontradas%20na%20alemanha

      Segue resenha do livro “O Incêndio” de Jörg Friedrich:

      http://jornalggn.com.br/blog/fabio-de-oliveira-ribeiro/o-incendio-resenha-do-livro-de-joerg-friedrich e http://veja.abril.com.br/070606/p_164.html.

      E no sítio abaixo, podemos ler um interessante artigo sobre como os aviões bombardeiros ingleses e sua quantidade enorme de bombas de diversos tipos e calibres foram meticulosamente planejados e industrialmente preparados já durante anos antes da guerra começar com o intuito exclusivo de serem usados contra o povo alemão:

      http://bsgermany.com/web-cosmopan/info66.html

      Excluir
  11. sou fascinado na ww2, e como é de fuder a forma que a mídia manipula todo a historia...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A mídia é só a ponta do iceberg.

      http://williamlutherpierce.blogspot.com.br

      http://national-socialist-worldview.blogspot.com.br

      http://carolynyeager.net

      Excluir
  12. Tudo mentira, tudo uma farsa. A Indústria do Holocausto judeu é um verdadeiro VALE TUDO, lamentável!

    ResponderExcluir
  13. Minha Nossa!!! Que vergonha...
    Como é possivel todas as histórias falsas e vendidas como REALIDADE neste mundo louco.
    Goyim é o meu nome e sinto como se fosse uma faca na minha noção de justiça.

    Muito obrigado pela disponibilidade destes documentos estou siderado e afinal existiu sempre na Europa onde vivo um sentimento real de PENA!!!PENA!!!PENA!!!
    Acabou, bem vindo aos velhos tempos" Olho por olho..."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. https://www.google.com.br/search?q=prost%C3%ADbulos+em+tel+aviv&rlz=1C1AVNG_enBR730BR730&oq=prost%C3%ADbulos+em+tel+aviv&aqs=chrome..69i57.4913j0j7&sourceid=chrome&ie=UTF-8

      Excluir
  14. Creio que o número total de mortos em contagem a todos os campos que existiam, não deve passar de 1.500.000 de mortos

    ResponderExcluir
  15. Sou anussim,a morte de judeus é exagerada desde a antiguidade,os romanos então falavam a mesma balela,os alemães então nem se fala,aliás este numero de mortos de seis milhões,começou em 1915 na Rússia´,Israel desrespeita teus judeus,e os gentios da mesma maneira,só que de jeito diferente,a unica coisa que não querem extinção é o dinheiro de certas famílias,do resto estão se lixando,no que refere a mídia é só diminuir a audiência e apreciar apenas uma unica é judia,mas funciona apenas se for livre que é a google,o resto a grande maioria tá ficando um porre de bobagem e politicagem correta igual a imprensa livre.Enfim podemos comer grama pensando em caviar;ou comer mel de verdade,se cobrar mais dessa gente.

    ResponderExcluir
  16. Sou Judeu Mas Nunca Tinha Visto Por Esse Lado o Holocausto,Desde Pequeno Sou Informado Sobre os 6 milhões,e Agora Vejo Que "Romancearam"Toda Essa História Mas o Número Real De Mortes Seria Um Pouco Maior Como 1 Milhão e Meio e Por aí

    ResponderExcluir

"Numa época de mentiras universais, dizer a verdade é um ato revolucionário."
George Orwell

"Até que os leões tenham seus próprios historiadores, as histórias de caçadas continuarão glorificando o caçador."
Eduardo Galeano

Desejando, expresse o seu pensamento do assunto exposto no artigo.
Agressões, baixarias, trolls, haters e spam não serão publicados.

Seus comentários poderão levar algum tempo para aparecer e não serão necessariamente respondidos pelo blog.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste blog.

Agradecido pela compreensão e visita.