domingo, 24 de agosto de 2014

Democracia, governo da hipocrisia

E se eu lhe disser que a Democracia é uma fraude?
por Andrew Napolitano.

E se eu lhe disser que a democracia uma fraude

E se eu lhe disser que você só pode votar porque seu voto não faz diferença? E se eu lhe disser que, não importa em quem você vote, a mesma elite política, os mesmos lobistas, e os mesmos grupos de interesse sempre estarão no comando? E se eu lhe disser que o conceito de uma pessoa/um voto era apenas uma ficção criada pelo governo e por esses grupos de interesse para induzir a sua complacência?

E se você descobrir que a democracia, em seu formato atual, é extremamente perigosa para as liberdades individuais? E se você descobrir que a democracia desvirtua totalmente o conceito que as pessoas têm de direitos naturais, fazendo com que elas passem a acreditar que tomar a propriedade alheia é um "direito adquirido"? E se você descobrir que a democracia não passa de um verniz capaz de transformar as campanhas políticas em meros concursos de beleza?

E se você descobrir que, se o número de pessoas que for às urnas para votar a favor de uma medida criada pelo governo (como em um referendo) for maior do que o número que for votar contra, a democracia permite que o governo faça tudo o que ele quiser?

E se você descobrir que o propósito da democracia moderna é o de convencer as pessoas de que elas podem prosperar não pelo trabalho e pela criação voluntária de riqueza, mas sim pela apropriação da riqueza de terceiros?

E se eu lhe disser que a única maneira moral de adquirir riqueza é por meio da atividade econômica voluntária? E se eu lhe disser que o governo é capaz de persuadir as pessoas de que é perfeitamente aceitável adquirir riqueza por meio da atividade política? E se eu lhe disser que a atividade política inclui todas as coisas parasíticas e destrutivas que o governo faz? E se eu lhe disser que o governo jamais é capaz de criar riqueza? E se eu lhe disser que tudo o que governo possui adveio do roubo de cidadãos produtivos?

E se você descobrir que a ideia de que precisamos de um governo para tomar conta de nós não passa de uma ficção que foi exitosamente perpetrada para aumentar o tamanho e o poder do estado? E se você descobrir que o objetivo dos políticos e burocratas que ocupam o governo é expandir seu controle sobre a população?

E se eu lhe disser que nossas qualidades individuais e culturais dependem não do poder do governo mas sim do quão livre somos em relação ao governo?

E se você descobrir que essa mistura de governo inchado e democracia gera dependência? E se você descobrir que, tão logo esse tal 'governo democrático' cresce, ele começa a enfraquecer as pessoas, acabando com sua auto-suficiência? E se eu lhe disser que um governo inchado destrói a iniciativa e a motivação das pessoas, e que a democracia as convence de que a única motivação de que precisam é 'votar certo' e aceitar os resultados?

E se eu lhe disser que a democracia uma fraude

E se eu lhe disser que o homicida Josef Stalin estava certo quando disse que a pessoa mais poderosa do mundo é aquela que conta os votos? E se você descobrir que os votos que realmente contam ocorrem em segredo, atrás dos bastidores?

E se eu lhe disser que o problema da democracia é que a maioria se acredita apta a 'consertar o que está errado', a criar qualquer tipo de lei, a tributar qualquer tipo de atividade, a regular qualquer tipo de comportamento, e a se apossar daquilo que mais lhe aprouver? E se o maior tirano da história estiver hoje entre nós? E se esse tirano tiver o apoio da maioria? E se ele chegar ao poder? E se a maioria não reconhecer limites ao seu poder?

E se o governo for astuto o bastante para ludibriar os eleitores, de modo que estes passem a defender e justificar tudo o que o governo quiser fazer? E se o governo comprar o apoio das pessoas por meio de benesses que ele distribui? E se o governo der assistencialismo para os pobres, universidades para a classe média e protecionismo para os empresários ricos, de modo a manter todos dependentes dele?

E se eu lhe disser que uma república vibrante depende não do processo democrático da votação, mas sim de eleitores informados e ativos, que entendem corretamente os princípios da existência humana, dentre eles a posse inalienável de direitos naturais?

E se eu lhe disser que podemos nos libertar do jugo do estado interventor, mas que os defensores do establishment não querem isso? E se eu lhe disser que o governo será o mesmo não importa quem vença as eleições? E se eu lhe disser que existe apenas um grande partido político, o qual é subdividido em duas alas, social-democrática e socialista? E se eu lhe disser que ambas as alas querem impostos, assistencialismo, protecionismo, regulamentações e crescimento contínuo do governo, diferindo apenas muito polidamente quanto aos meios para se alcançar estes objetivos? E se eu lhe disser que este partido único criou leis eleitorais que tornam praticamente impossível o surgimento e o sucesso de uma concorrência política?

E se você descobrir que o sucesso do governo depende de sua habilidade de fingir e enganar? E se eu lhe disser que nossos ancestrais acreditavam que o rei era divino? E se eu lhe disser que eles acreditavam que o rei era infalível? E se eu lhe disser que eles acreditavam que a voz do rei era a voz de Deus?

E se você descobrir que o governo é bom em fazer os outros acreditarem? E se você descobrir que o governo fez o povo acreditar que tem voz? E se você descobrir que o governo fez o povo acreditar que os políticos eleitos são o próprio povo? E se você descobrir que o governo fez o povo acreditar que os políticos são servidores do povo?

E se você descobrir que o governo fez o povo acreditar que a maioria democrática nunca erra? E se eu lhe disser que a tirania da maioria é tão destrutiva para a liberdade humana quanto a tirania de um indivíduo louco?

O que você faria?

Fonte: http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1908

E se eu lhe disser que você anda a misturar alhos com bugalhos? Algumas de suas perguntas são pertinentes á Democracia, outras não.
__________________________________________________________

Porque a democracia não leva à solidariedade, prosperidade e liberdade, mas sim ao conflito social, a gastos descontrolados e a um governo tirânico.

            alem_capa.jpg

A democracia é amplamente considerada como o melhor sistema político que se pode imaginar. Na verdade, não é exagero dizer que a democracia tornou-se uma religião secular. A maior fé política na terra. Criticar o ideal democrático é correr o risco de ser considerado um inimigo da sociedade civilizada.

No entanto, é precisamente o que Karel Beckman e Frank Karsten se propõe fazer. Neste livro provocativo e de fácil leitura, eles enfrentam o último tabu político: a idéia de que a nossa salvação está na democracia.

Com argumentos simples e diretos, eles mostram que a democracia, em contraste com a crença popular, não leva à liberdade, à prosperidade, à civilização, à paz e ao Estado de Direito, mas sim ao contrário: à perda da liberdade, aos conflitos sociais, aos enormes gastos do governo, a um menor nível de vida e à subversão dos direitos individuais.

Em apenas 110 páginas, eles desfazem 13 grandes mitos que são geralmente usados para defender a democracia. Adicionalmente, eles oferecem uma alternativa interessante: uma sociedade baseada na liberdade individual e nas relações sociais voluntárias.

Você já se questionou porque é que o governo continua crescendo e a dívida pública está cada vez maior, enquanto a sua liberdade e prosperidade estão cada vez mais ameaçadas? Depois de ler este livro, você não vai se questionar mais - você vai saber porque é que está acontecendo e o que pode ser feito para alterar.

Além da democracia é um livro inovador e fascinante para todos aqueles que desejam compreender melhor a crise econômica e os atuais problemas sociais.

Fonte: http://alemdademocracia.com/

PDF grátis do livro:
http://www.mises.org.br/files/literature/Al%C3%A9m%20da%20Democracia%20-%20Miolo%20brochura.pdf
__________________________________________________________

Algumas citações sobre a democracia:

“A democracia são dois lobos e um cordeiro votando sobre o que comer no almoço. A liberdade é uma ovelha bem armada contestando o voto.”
Benjamin Franklin, estadista, cientista, filósofo e um dos pais fundadores dos Estados Unidos.

“A democracia nunca dura muito tempo. Ela logo se enfraquece, esgota e mata a si própria. Não há uma democracia que não tenha se suicidado.”
John Adams, segundo presidente dos Estados Unidos.

"O melhor argumento contra a democracia é uma conversa de cinco minutos com o eleitor médio." 
Winston Churchill, reconhece o maçom e grande fomentador da 2ªGM.

“A democracia não é nada mais do que a tirania da multidão, onde 51% das pessoas podem tirar os direitos dos outros 49%.”
Thomas Jefferson, o terceiro presidente dos Estados Unidos.

"Há uma diferença entre democracia e liberdade. A liberdade não pode ser medida pela possibilidade de se poder votar. Ela pode ser medida pelo âmbito daquilo sobre o qual não se vota." 
John T. Wenders, professor de Economia, emérito, da Universidade de Idaho e Sênior Fellow na Fundação Commonwealth.

“Cada eleição é uma espécie de leilão antecipado de venda de bens roubados.”
H. L. Mencken (1880 – 1956), jornalista e ensaísta americano.

“Como podemos continuar a assegurar o progresso se, cada vez mais, adotamos um estilo de vida em que ninguém está disposto a assumir a responsabilidade própria e todo o mundo está à procura de segurança no coletivismo? Se essa mania continua, vamos regredir para um sistema social em que cada um tem suas mãos nos bolsos dos outros.”
Ludwig Erhard, o ex-chanceler alemão e arquiteto do milagre econômico alemão do pós-guerra.

“A democracia ilimitada, assim como a oligarquia, é uma tirania espalhada por um grande número de pessoas.”
Aristóteles.

"Se há um idiota no poder, é porque os que o elegeram estão bem representados."
Aparício Torelly - Barão De Itararé, jornalista e humorista brasileiro.

“O governo é a grande ficção, através da qual todo mundo se esforça para viver à custa de todos os outros.”
Frédéric Bastiat (1801-1850), teórico clássico liberal e economista político francês.

“Quando as pessoas descobrirem que elas podem votar em dinheiro para si mesmas, isso irá marcar o fim da república.”
Benjamin Franklin, estadista, cientista, filósofo e um dos pais fundadores dos Estados Unidos.

"Se os porcos pudessem votar, o homem com o balde de comida seria eleito sempre, não importa quantos porcos ele já tenha abatido no recinto ao lado." 
Orson Scott Card, escritor de ficção científica e fantasia norte-americano.

“Aqueles que estão pedindo mais interferência do governo estão pedindo, em última instância, mais coerção e menos liberdade.”
Ludwig von Mises, economista austríaco e grande defensor do mercado livre (outro grave erro)

“Ninguém tem a vida, liberdade ou propriedade a salvo enquanto o legislador está em sessão.”
Mark Twain (1835-1910), autor americano.

"A liberdade de eleições permite que você escolha o molho com o qual será devorado." 
Eduardo Hughes Galeano foi um jornalista e escritor uruguaio.

"Se votar mudasse alguma coisa de verdade, seria proibido."
Autor desconhecido.

“A democracia é a vontade do povo. Todas as manhãs eu fico surpreso ao ler no jornal o que eu quero.”
Wim Kan, comediante holandês.

"Não faz sentido eu achar que uma candidata é melhor para o pais, mas então votar num cara que acho pior em nome de uma abstrata alternância. Não faz sentido eu achar que uma candidata é melhor para o pais, mas então votar num cara que acho pior em nome de uma abstrata alternância."
Alex Castro, blogueiro brasileiro.

Na Vulgocracia (ou Democracia, imposta unilateralmente pela Maçonaria anticristã), nenhum político pode ser uma pessoa completamente sincera. Nela, o político está sempre à procura de eleitores, e diz aquilo que esperam que diga. No caso de um discurso político, importa mais a opinião dos ouvintes que a do orador. O orador é uma espécie de espelho ou eco do que os demais pensam. Se não for assim, fracassará. Portanto, Democracia ou Vulgocracia é o regime político da hipocrisia, do cinismo, do engodo, do puxa-saquismo. 

Resumindo, em uma Democracia, o incentivo principal dos políticos é o desejo de serem reeleitos. Portanto, seu horizonte não costuma ir além das próximas eleições.

Outro fato é que ainda que 100% do eleitorado de um país democrático vote num referendo ou plebiscito favorável a uma medida do governo que seja inconstitucional, ela não poderá ser instituída porque fere a Constituição Federal. Portanto, Democracia é a ditadura da Constituição onde a adesão é obrigatória. A verdadeira comunidade deveria ser baseada na participação voluntária. Ou seja, nunca isso se realizará.

O voto colocado na urna é uma ilusão de influência que se pratica em troca da perda de liberdade, da soberania.

Quem vale mais? Um grande gênio ou 50.000 ignaros? Na Democracia, o segundo tipo vale mais. O voto é a ilusão de influência em troca da perda de liberdade.

A diferença entre o Comunismo e a Democracia, é que na Democracia nos permitem votar quem vai nos explorar, e no Comunismo eles nos são impostos.

A Democracia nunca funcionou plenamente, nem no seu berço ateniense. A Democracia é impossível. Utopia das mais bizarras, assim como o Comunismo.

Democracia (o correto é Vulgocracia) de direita, centro ou esquerda, é um circo que só palhaço acredita. E o palhaço ainda é burro e pagante.

Abraços

6 comentários:

  1. Hoje em dia, além de vivermos na ditadura da democracia que é um pleonasmo, usa-se deste para impor direitos e deveres para minorias que não representam étinicamente, não tem história (tirando os negros), tradições para dividir mais ainda a sociedade e impor mais medidas "democráticas" para reparar as deformações que eles mesmos criaram.

    Rafael

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "O melhor argumento contra a democracia é uma conversa de cinco minutos com o eleitor médio."
      Winston Churchill, reconhece o maçom e grande fomentador da 2ªGM.

      Excluir
    2. Por isso a democracia é tão útil para interesses mesquinhos como por ex. alegar que determinado governo é ditadorial com pretexto de se apoderar de seus recursos materiais, politicos e por fim eliminar qualquer vestigio de governo que atende as demandas da população. Eles só precisam do conceito central da democracia para invadir esses países que é a opinião da maioria.

      Além disso, tem o outro lado que é usar a democracia para atingir determinado fim que não é vital para a população em geral que não é aprovado pela maioria. Ele alega que ele que foi eleito pela maioria e que trabalha pela manutenção desta.

      Rafael

      Excluir
    3. http://desatracado.blogspot.com.br/2014/07/o-circo-da-democracia.html

      Excluir
  2. A todo esse claríssimo e preciso post, acrescente-se a excrescência chamada "urna eletrônica", a pá-de-cal na última esperança dos mais ferrenhos defensores da democracia em crer que "o voto faz a diferença".

    Com ela, a manipulação dos resultados ficou mais fácil que roubar doce de bebês. Os grandes corruptores tomaram todas as rédeas.

    Sempre lembrando que, em 2000, no paradigma moderno da democracia, o Bushinho foi eleito com meio milhão de votos A MENOS que Al Gore. E lá, grande parte da população votam com papel. E os fantoches não mudam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eleição e vulgocracia são pistas ovais.

      Abraços

      Excluir

"Numa época de mentiras universais, dizer a verdade é um ato revolucionário."
George Orwell

"Até que os leões tenham seus próprios historiadores, as histórias de caçadas continuarão glorificando o caçador."
Eduardo Galeano

Desejando, expresse o seu pensamento do assunto exposto no artigo.
Agressões, baixarias, trolls, haters e spam não serão publicados.

Seus comentários poderão levar algum tempo para aparecer e não serão necessariamente respondidos pelo blog.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste blog.

Agradecido pela compreensão e visita.