sábado, 21 de junho de 2014

Judeus do Projeto Manhatam

A primeira bomba atômica foi projetada e construída em Los Alamos, Novo México/EUA. O nome de cógido ultra-secreto dado a este trabalho foi "The Manhattan Project". A razão para o nome é que Bernard Baruch [judeu], viveu em Manhattan New York, assim como muitos dos outros altos funcionários do projeto. O cientista-chefe do Laboratório de Los Alamos de 1943-1934 foi J. Robert Oppenheimer, outro judeu proeminente. De Oppenheimer ao seu irmão Frank, com cadastro de comunista, foi também um cientista atômico que liderou os trabalhos em Los Alamos.


O número total de judeus envolvidos é impressionante e chocante e a lista abaixo é incompleta. A lista abaixo contém os cientistas judeus mais notáveis ​​que trabalharam diretamente na Projeto Manhattan. Quase todos os indivíduos na lista abaixo foram do núcleo comunista principal; muitos mais eram espiões, que deram a fórmula para a bomba atômica aos soviéticos. É chocante a forma como muitos autores [em sua maioria judeus] escreveram artigos e biografias dos indivíduos abaixo, retratando estes assassinos em massa sob um prisma muito positivo, exaltando muitos a um status de herói. Havia muitos mais judeus envolvidos em todos os níveis de pesquisa, construindo e defendendo o uso da bomba atômica que poderiam estar nesta lista.

- J. Robert Oppenheimer [judeu americano] - Diretor Científico - Projeto "Y"
- Frank Oppenheimer [judeu americano] - Irmão de e Assistente J. Robert Oppenheimer
- Albert Einstein [alemão nascido judeu] - Consultor do Projeto
- Niels Bohr [dinamarquês nascido judeu] - Consultor do Projeto
- Leo Szilard [húngaro nascido judeu] - Líder do Grupo - Metalúrgica Laboratório
- Nicholas Kurti [húngaro nascido judeu]
- Trabalhou com Franz Eugen Simon [Alemão nascido judeu] e desenvolveu um método de separar o urânio 235 de minério de urânio bruto. Cálculos teóricos realizados para
- David Bohm [judeu americano] Calutrons na instalação de Y-12, em Oak Ridge, usado para electromagneticamente enriquecer urânio para uso na bomba lançada sobre Hiroshima em 1945
- Rudolf Peierls [alemão nascido judeu] - Missão Britânica
- Felix Bloch [suíço nascido judeu]
- Trabalhou sob Hans Albrecht Bethe, realização de pesquisa de fissão nuclear
- Eugene [Paul] Wigner [húngaro nascido judeu] - Líder do Grupo - Laboratório Metalúrgico
- James Chadwick [britânico nascido judeu] - Diretor - Missão Britânica
- James Franck [alemão nascido judeu] - Diretor - Grupo de Química
- Otto Frisch [alemão nascido judeu] - Missão Britânica
- Edward Teller [húngaro nascido judeu] - Pesquisa Termonuclear
- Emilio Gino Segrè [Italiano nascido judeu] - Líder do Grupo
- Hans Albrecht Bethe [alemão nascido judeu] - Diretor - Divisão Teórica
- Klaus Fuchs [alemão nascido judeu] - Divisão teórica [espião comunista]
- Richard Phillips Feynman [judeu americano] - Líder do Grupo - Teórica Divisão
- Morris Kolodney [judeu americano] - Gerente - Site DP
- Louis Rosen [judeu americano] - O "Pai" do Los Alamos Neutron Centro de Ciências
- Louis Slotin [nascido judeu canadense] - Teste Crítico - resultou em sua morte acidental
- Jacob Beser [judeu americano] - Armas de fogo e de fusão
- Theodore Alvin Hall [judeu americano] - O mais jovem cientista de Los Alamos
- Samuel T. Cohen [judeu americano] - Trabalhou no Grupo de Eficiência
- Samuel Goudsmit - [dinamarquês nascido judeu] - Chefe Científico da Missão Alsos (*)
- George Placzek - [Morávia nascido judeu] - Missão Britânica
- Eugene Rabinowitch - [russo nascido judeu] - Laboratório Metalúrgico
- Joseph Rotblat - [polonês nascido judeu] - Trabalhou com James Chadwick [espião comunista]
- Gregory Breit - [russo nascido judeu] - Predecessor de J. Robert Oppenheimer
- David Greenglass [judeu americano] - Projeto Manhattan Infiltração [espião comunista]
- George Koval Abramovich [judeu americano] - Engenheiro Especial [espião comunista]
- Victor Weisskopf [austríaco nascido judeu] - Divisão Teórica
- Alvin Martin Weinberg [judeu americano] - Física Teórica abaixo de Eugene [Paul] Wigner
- Isidor Isaac Rabi [polonês nascido judeu] - Consultor do Projeto
- Stan Frankel [judeu americano] - Divisão Teórica
- Enrico Fermi [Italiano Gentílico] era casado com uma judia - Grupo Líder - Divisão Teórica

(*) O Projeto Alsos, também chamado Operação Alsos, foi um esforço no final da Segunda Guerra Mundial dos aliados (principalmente da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos), relacionado com o Projeto Manhattan, para capturar recursos nucleares alemães, materiais e pessoas, para as futuras pesquisas estado-unidenses e para evitar que caíssem nas mãos dos soviéticos, e para descobrir o que os alemães sabiam sobre a criação de uma bomba atômica. O pessoal responsável do projeto estava logo atrás da linha da frente, primeiro na Itália, depois na França e Alemanha, procurando pessoas, artigos, material e centros envolvidos. 



O projeto conseguiu encontrar muitas pessoas envolvidas no esforço alemão, bem como boa parte do equipamento e registros remanescentes. A maior parte dos pesquisadores (incluindo Werner Heisenberg, Otto Hahn e Carl von Weizsäcker) foram sequestrados em Farm Hall, na Inglaterra, por vários meses. As suas discussões foram secretamente gravadas, e extratos dessas gravações foram publicados.

No final, ALSOS concluiu que os Aliados haviam ultrapassado enormemente o projeto alemão de bomba atômica já em 1942. Comparado com o Projeto Manhattan, um dos maiores desafios científicos de todos os tempos, o projeto alemão necessitava desesperadamente de fundos e pessoal e é duvidoso que a Alemanha tivesse, como tiveram os Aliados, capacidade de obter os recursos e o isolamento necessários para produzir tal arma. Samuel Abraham Goudsmit, o chefe científico e técnico do projeto, num artigo publicado dois anos depois do fim da guerra, concluía que a principal razão do fracasso do projeto alemão era que a ciência não podia se desenvolver sob o totalitarismo — um argumento refutado pela União Soviética, que desenvolveu a arma nuclear em 1949. Os soviéticos, no entanto, beneficiaram da extensa rede de espiões de Stalin, que incluía dois cientistas no laboratório de Los Alamos, Klaus Fuchs e Theodore Hall, trabalhando para impedir que os Estados Unidos obtivessem o monopólio nuclear mundial. Além disso o mesmo Samuel Abraham não explica por que a jatopropulsão na Alemanha era muito mais avançada que na suposta democracia dos EUA, já que a primeira bomba nuclear foi lançada de primitivos aviões movidos a hélice, enquanto os nacional-socialistas já tinham propulsão a jato em muitos equipamentos de alta tecnologia (Opinião pessoal do autor do texto: o pretexto dos espiões aqui não convence, pois neste caso, quem "roubou" a tecnologia da Alemanha foram os EUA). O próprio projeto Manhatan só saiu do papel graças as bases teóricas dos cientistas alemães, que eram líderes na física avançada na altura a exemplo do próprio Max Planck.


Um comentário:

  1. Um dia, ainda porão a culpa da bomba A no gentílico Fermi...

    ResponderExcluir

"Numa época de mentiras universais, dizer a verdade é um ato revolucionário."
George Orwell

"Até que os leões tenham seus próprios historiadores, as histórias de caçadas continuarão glorificando o caçador."
Eduardo Galeano

Desejando, expresse o seu pensamento do assunto exposto no artigo.
Agressões, baixarias, trolls, haters e spam não serão publicados.

Seus comentários poderão levar algum tempo para aparecer e não serão necessariamente respondidos pelo blog.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste blog.

Agradecido pela compreensão e visita.