sexta-feira, 9 de junho de 2017

Desvendando a Nova Ordem Mundial

Um Plano Judaico de Dominação Mundial

         

http://henrymakow.com/2015/12/rulers-of-their-destiny.html

Um artigo publicado no Paris Review, Le Contemperain de 1º de Julho de 1880, intitulado 'Um Relato por John Readcliffe dos Eventos Político-Históricos Registrados nos Últimos 10 Anos' propunha ser uma conferência dada por um grande Rabino, Reichorn, em um Segundo encontro do círculo interno dos líderes Judaicos em Praga, em 1869, sobre a tumba do grande Rabino, Simeon-ben-Jehuda. O documento é hoje difícil de encontrar.

Como de costume, os simpatizantes dos Judeus têm sido ligeiros em desacreditar o documento que é dito ser um protótipo para os Protocolos de Sião, embora seja totalmente diferente. Em “The Role of Conspiracy Theory in Shaping Modern History” (‘O Papel da Teoria Conspiratória em Moldar a História Moderna’), de 2009, David Aronowitch alega que John Retcliffe foi o pseudônimo de Hermann Goedsche cujo romance "Biarritz" contém um capítulo "No Cemitério Judaico de Praga" que forma a base de seu ultimo relato. Isso é similar a sua artificial desmitificação para “Os Protocolos” envolvendo Maurice Joly.

La Via France, número 214, relatou que Readcliff foi assassinado brevemente depois da publicação do discurso. O Judeu, Lisal, que lhe foi apresentado, morreu em um duelo. Eis aqui alguns excertos do texto, como editado por the Britons, 40 Great Ormond Street, Londres, Inglaterra, as pessoas que publicaram os Protocolos:

Citação:

"Nossos padres delegaram aos líderes escolhidos de Judá o dever de encontrarem-se pelo menos uma vez em cada século ao redor da tumba do grande mestre Caleb, o Rabino santo, Simeon-ben-Jehuda, cujos aprendizados foram transmitidos aos eleitos de cada geração, poder sobre todo o mundo e autoridade sobre todos os descendentes de Judá.

Já agora, por 18 séculos tem durado a Guerra do povo de Judá contra esse Poder que foi prometido a Abraão, mas que dele foi arrancado pela 'Cruz', pisado sobre os pés, humilhado por nossos inimigos, constantemente sob o medo de morte ou perseguição ou roubo e de violação de todos o gênero. O povo de Judá, porém, por nenhum meio sucumbiu. E se nós somos dispersos pelo mundo inteiro, é porque o mundo inteiro nos deve pertencer. Desde vários séculos atrás, nossos instruídos homens têm estado lutando bravamente e com a perseverança que nada pode destruir a 'Cruz'.

Nosso povo está gradualmente chegando ao topo e a cada dia nosso poder aumenta. A nós pertence o deus de hoje, que Aarão nos construiu no deserto; esse bezerro de ouro, que é o deus universal dos dias atuais. Desde o momento quando deveríamos ter feito de nós os únicos possuidores de todo ouro do mundo, o real poder passaria a nossas mãos, e então deveriam estar cumpridas as promessas feitas a Abraão. O ouro é o maior poder no mundo (1). O ouro, que é força, recompense, e os meios para todos os prazeres, tudo que o homem teme e cobiça; ali você tem o mistério; o profundo conhecimento do espírito que governa o mundo; ali você tem o futuro. Dezoito séculos pertenceram aos nossos inimigos, mas o presente século e os futuros séculos deverão nos pertencer, o povo de Judá, e seguramente nos pertencerá. (Por isso a substituição dos nobres, dos homens de virtude pelo homo economicus. Estão todos tão entranhados nisso que não se dão mais conta do fato, nem percebem que precisam sair dessa situação. Como bem alerta Cristo: "Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome." Apocalipse 13:17)

O Anticristo segundo sua etnia:


Essa é a 10ª ocasião durante os 1.000 anos da incessante e feroz batalha contra nossos inimigos que se encontraram no cemitério, diante da tumba de nosso grande mestre Caleb, o Santo Rabino, Simeon-ben-Jehuda. Os líderes eleitos de Judá, no intuito de desenvolver meios de colocar a nosso favor os sérios erros e pecados que nossos inimigos, os Cristãos, estão sempre cometendo. Em cada ocasião, o novo Sinédrio proclamou e pregou a luta sem misericórdia contra esses inimigos. Mas em nenhum dos séculos precedentes nossos ancestrais tiveram êxito em concentrar em nossas mãos tanto ouro e, desta forma, tanto poder como no século XIX, que foram os anos de 1800, que quase já passaram. Nós podemos, portanto, nos elogiar sem medo de nos enganar, que nós obtivemos nosso objetivo e podemos olhar com confiança para o futuro. Os tempos de perseguição e humilhação, aqueles tempos sombrios e dolorosos, que o povo de Judá suportou com tal heróica paciência, felizmente se passaram graças ao progresso da civilização entre os Cristãos. E esse progresso é o melhor escudo por trás do qual podemos ocultar e trabalhar no intuito de limpar com firmeza e cadenciar o espaço que ainda nos separa de nosso objetivo final.

Vamos simplesmente lançar nossos olhos sobre o estado material da Europa e examinar os recursos que os Judeus conseguiram coletar desde o início do presente século, somente pela concentração em nossas mãos do vasto capital que controlamos hoje nesse momento. Assim, em Paris, Londres, Viena, Berlim, Amsterdam, Hamburgo, Roma, Nápoles etc., e entre os Rothschilds por toda a parte, os Judeus são os mestres da situação financeira pela posse de vários milhares de milhões. Isso, sem contra que em cada localidade de medida de secundária ou terciária importância, há aqueles que mantêm fundos em circulação e em toda parte sem os filhos de Judá, sem sua direta influência, nenhuma transação financeira, nenhum trabalho importante pode ser realizado.

Hoje, todos os imperadores, reis e príncipes reinantes são esmagados pelas dívidas contraídas para a manutenção de imensos exércitos permanentes para empurrá-los até seus tronos rasgados. O mercado financeiro calcula e regula essas dívidas e nós somos, em uma grande medida, os mestres do mercado financeiro por toda parte. Nós devemos estudar, portanto, para encorajar esses empréstimos mais e mais de forma que possamos nos tornar os únicos controladores de todos os mercados e, tanto quanto possível, tomar para si como proteção ao capital que temos abastecido os países a exploração de suas estradas de ferro, minas, florestas, fundições, fábricas; desta forma, o próprio estado e o controle da tributação.

O 666 e a marca judaica:


A agricultura sempre permanecerá a grande fonte de riqueza em todos os países. A posse de grandes propriedades carrega consigo honra e influência para os proprietários. Segue-se, então, que nossos esforços deveriam ser dirigidos em fazer dos Judeus ímas de imensos territórios. Nós devemos, portanto, apressar o desmanche dessas grandes propriedades para que possamos adquiri-los muito mais rápida e facilmente. Sob a pretensão de ajudar as classes trabalhadoras, devemos colocar todas as taxas sobre os grandes proprietários. E quando essas propriedades devessem cair em nossas mãos, todos os trabalhadores e proletariado cristão se tornará para nós a fonte de imenso ganho.

Pobreza é escravidão, disse um poeta. O proletariado é o mais humildes servo da especulação. Mas opressão e influência são os mais humildes servos da mente que inspira e estimula a esperteza. Quem, então, recusará aos filhos de Judá a inteligência, prudência e perspicácia? Nosso povo é ambicioso, orgulhoso e ganancioso por prazer. Onde há luz, há também sombra. E não é sem razão que o nosso deus deu ao seu povo escolhido a vitalidade da serpente, a esperteza da raposa, a visão do falcão, a memória do cachorro, a solidariedade e o instinto gregário do castor. Nós nos desenvolvemos no cativeiro da Babilônia e nos tornarmos poderosos. Nossos templos foram destruídos e reconstruímos milhares de templos em seu lugar. Durante 18 séculos nós fomos escravos e no presente século ascendemos sobre todos os demais povos.

É dito que inúmeros de nossos irmãos de Judá foram convertidos e batizados como Cristãos. O que importa? Os batizados podem tornar-se muito úteis para nós. Eles podem se tornar nossos auxiliares para marchar até novos horizontes, que ainda nos são desconhecidos. Pois esses convertidos ainda nos pertence apesar do batismos de seus corpos, seu espírito e sua alma sempre permanecerá fiel a Judá. Em um século não haverá filhos de Judá que desejem ser cristãos, mas, ao reverso, cristãos que afluirão para nossa fé (2). Mas, então, Judá os repelirão com desdém. A Igreja Cristã sendo uma de nossos mais perigosos inimigos, nós devemos trabalhar com perseverança para enfraquecer sua influência. Nós devemos enxertar tanto quanto possível sobre a inteligência daqueles que professam a religião cristã, idéias de liberdade de pensamento, de dúvida, de cisma (3) e provocar disputas religiosas. Assim, naturalmente provocar divisões em seitas do Cristianismo; naturalmente devemos começar por desacreditar os ministros de sua religião. Vamos declarar Guerra aberta sobre eles; sugerir suspeitas como sua devoção de sua vida privada e ridicularizá-los e zombá-los. Nós devemos obter o melhor da consideração ligada ao estado e ao figurino.

O inimigo natural da igreja é a luz que vem da instrução e é o inevitável resultado de uma multiplicação de escolas. Vamos nos preparar para ganhar influência sobre os jovens pupilos. A idéia de progresso carrega consigo a igualdade de todas as religiões que, em sua volta, conduz à supressão na escola de lições de Cristianismo. Os Judeus, pela sutileza e aprendizado, obterá sem dificuldade cadeiras e posições como professores nas escolas cristãs. Por esses meios, a educação religiosa sera deixada ao círculo familiar e, como em muitas famílias, não haverá tempo para cuidar desse ramo de instrução. O espírito religioso enfraquecerá, pouco a pouco, e desaparecerá completamente. (acaso não vemos isso hoje?)

Cada guerra, cada revolução, cada choque político ou religioso, que vem a suceder no mundo Cristão traz mais próximo o momento em que nós deveremos obter o objetivo rumo ao qual estamos pressionando. Comércio e especulação, dois fatores férteis de vasto ganho, nunca devem estar fora das mãos dos Judeus. E, primeiro de tudo, devemos fazer um monopólio de álcool, manteiga, pão e vinho. Através disso, nós deveremos nos tornar os mestres absolutos da agricultura e de a inteira posição econômica rural. Nós deveremos ser os distribuidores de milho em tudo. Mas se uma certa quantidade de descontentes devesse suceder ascendendo da miséria do proletariado, seria fácil atirar a responsabilidade no governo.

Todos os cargos públicos devem ser abertos aos Judeus, e uma vez instalados, nós deveremos saber como penetrar direto na origem da genuína influência e poder. Isso, por meio da atividade e astúcia e nossos bajuladores. É de ser entendido que tudo isso somente se aplica às posições de honra e poder e privilégio, pois como recompensas àqueles cargos que requerem conhecimento, trabalho e problema, essas devem ser deixadas aos Cristãos. A magistratura é para nós uma instituição de primeira importância.

A carreira de advogado, mais do que qualquer outra, desenvolve a faculdade de civilização e mantém-se em contato com os negócios de nossos inimigos naturais, os Cristãos. E é por conta disso que nós somos capazes de deixá-los a nossa misericórdia. Por que os Judeus não deveriam se tornar ministros de instrução pública quando eles supostamente controlarem os cargos de finanças? Os Judeus devem também aspirar aos postos dos legisladores de forma que eles possam trabalhar destruindo as leis feitas pelos gentios, pecadores infiéis; contra os filhos de Judá, que são os únicos fiéis pela constante obediência das leis de Abraão. Em relação ao restante desse assunto, nosso plano é um plano de sucesso completo em progresso, pois, por quase toda parte, reconheceu-se e consentiu-se os mesmos direitos de cidadania aos Cristãos. Mas o que é importante obter e que deve ser objeto de nosso constante esforço é uma lei menos severa sobre a falência. Nós deveremos torná-la uma mina de ouro, mais rica do que já foram as minas da Califórnia.

O povo de Judá deve dirigir suas ambições rumo ao alto grau de poder de onde fluem preferências e honras. O caminho mais efetivo de obter êxito é ter uma firme mão sobre todas as associações: industriais, financeiras e comerciais. Ao mesmo tempo, resguardando-se cuidadosamente contra qualquer armadilha ou tentação que poderia nos expor a processos legais. Nós devemos nos conduzir, portanto, com esses tipos de especulações, com essa cautela e tato que marcam nossa especial atitude para os negócios.

Devemos ser estrangeiros para tudo que merece uma posição de distinção na sociedade: filosofia, medicina, direito, música, política, economia. Numa palavra, todos os ramos da ciência, da arte e da literature são um campo vasto. Onde o sucesso deve nos tornar muito importantes e exibir nossa atitude. Esses ambientes são inseparáveis da especulação. Assim, uma composição musical, não importa se medíocre, nos dará uma desculpa plausível para preparar um pedestal, envolvendo com uma auréola o Judeu que foi o autor. Quanto às ciências, medicina e filosofia, eles deveriam também formar parte de nosso domínio intelectual. Um doutor é iniciado nos segredos familiares mais íntimos, e tem como tal em suas mãos a saúde e a vida de nossos inimigos mortais, os Cristãos.

Nós devemos encorajar os casamentos entre Judeus e Cristãos. Pois o povo de Judá, sem arriscar perder o contato, não pode senão ganhar por essas alianças. A introdução de uma pequena gota de sangue impuro em nossa raça, escolhida por Deus, não poderia por qualquer meio corrompê-la, e nossos filhos e filhas suprirão por esses casamentos alianças com as famílias Cristãs na posse de alguma promoção e poder.

Em troca de dinheiro que nós deveremos dar, é justo que nós devamos obter o equivalente em influência sobre aqueles que nos cercasse. Essa linhagem com os Cristãos não impõe qualquer desvio do curso que nós traçamos. Pelo contrário, com um pouco de diplomacia, isso nos tornará, de alguma maneira, soberanos de seu destino. É desejável que os Judeus devessem se abster de ter mulheres de nossa santa religião como amantes e que eles devessem escolher para esse papel entre virgens Cristãs. Trocar o sacramento do matrimônio numa Igreja por um simples contrato diante de alguma autoridade civil seria um assunto de grande importância para nós; pois a partir daí as mulheres Cristãs fluiriam para nosso campo.

Se o Ouro é o primeiro poder nesse mundo, o segundo sem dúvida nenhuma é a Imprensa. Mas o que pode o segundo sem o primeiro? Na medida em que nós não possamos perceber tudo que já foi dito e planejado sem a ajuda da Imprensa, por conseguinte nosso povo deve dirigir todos os diários em cada país. A posse do ouro e a esperteza em usá-lo para untar a palma das mãos daqueles abertos ao suborno nos tornará árbitros da opinião pública e nos dará domínio sobre as massas.

Avançando desta forma, passo por passo nesse caminho, e com a perseverança que é nossa grande virtude, nós deveremos recuar os Cristãos e aniquilar sua influência. Nós deveremos ditar ao mundo naquilo que eles deveriam ter fé, o que eles devem honrar e amaldiçoar. Talvez alguns indivíduos se prepararão contra nós e nos condenarão e amaldiçoaram; mas as massas dóceis e ignorantes nos escutarão e tomarão nosso lado.

Uma vez mestres absolutos da imprensa, nós deveremos ser capazes de alterar a nosso gosto todas as idéias de honra, virtude, sinceridade de caráter, e fazer o primeiro ataque e quebrar o primeiro golpe naquela instituição, até aqui secreta, nomeadamente, vida familiar; e assim realizar sua destruição. Nós deveremos ser capazes de apagar a crença e fé em tudo que nossos inimigos, os Cristãos, têm até aqui venerado. Então forjando para nós como uma arma o cultivo das paixões, nós deveremos declarar guerra aberta sobre tudo que ainda é respeitado e venerado.

Permitam todos os precedentes serem entendidos e pontualmente registrados. E deixe cada filho de Judá absorver esses princípios. Então nosso poder crescerá como uma árvore gigante cujos ramos darão o fruto que é chamado riqueza, prazer, alegria, poder como compensação pelo repugnante estado pelo qual o povo de Judá passou por vários séculos.

  Resultado de imagem para jews new order mundial
Artigo do jornal NYT de 1940 noticiando que a Nova Ordem Mundial fora prometida aos judeus. Fonte: http://tomatobubble.com/nwo_jews.html

Quando um dos nossos dá um passo à frente, deixe outro segui-lo de perto. Se um Judeu é saudado diante das cortes do país, deixe seu irmão vir como seu assistente; mas somente quando este último agir em concordância com as leis que Judá estritamente observou por tantos séculos.

Nosso povo é conservador, fiel às cerimônias religiosas e aos costumes passado pelas gerações por nossos ancestrais. Nosso interesse requer que pelo menos simulemos um zelo pelas questões sociais que são a ordem do dia; aqueles acima dos quais preocupam o aprimoramento das condições dos trabalhadores. Mas, em realidade, nossos esforços devem ser dirigidos a tomar posse desse movimento de opinião pública (p.e. a emancipação das classes trabalhadoras, o Movimento Trabalhista) e usá-los para manipular a política pública. A cegueira das massas, a facilidade com que elas são influenciadas pela eloqüência que, tão vazia quanto ruidosa … fez delas instrumento de adestramento e presas fáceis de besteiras e trapaças. Nós deveremos ser capazes de achar entre nosso povo aqueles que são capazes de falsificar o sentimento e comandar na mesma medida a eloqüência quanto sinceros Cristãos tenho-no em seu entusiasmo.

O sionismo e a farsa judaizante:


Nós devemos tanto quanto possível desviar o proletariado e submetê-los aos manipuladores das finanças. Através disso, nós deveremos fazer as massas ascenderem quando quisermos. Nós os empurraremos a insurreições e revoluções, e cada uma dessas catástrofes avança nossos interesses secretos e nos traz rapidamente mais próximos ao nosso grande objetivo, nomeadamente aquele de reinar sobre todo o mundo, como foi prometido ao nosso pai Abraão."

Fonte: https://judaismoemaconaria.blogspot.com.br/2016/12/um-plano-judaico-de-dominacao-mundial.html

Notas:
(1) Virtudes no lugar de ouro:
https://desatracado.blogspot.com.br/2014/08/virtudes-no-lugar-de-ouro.html
Diamantes de sangue em Tel Aviv:
https://desatracado.blogspot.com.br/2014/11/diamantes-de-sangue-em-tel-aviv.html
Ouro... Ah!, o ouro... :
https://desatracado.blogspot.com.br/2015/07/da-serie-alemanha-saqueada.html
(2) A heresia da judaização do Evangelho:
https://desatracado.blogspot.com.br/2014/04/a-heresia-da-judaizacao-do-evangelho.html
Plano de 10 pontos para Judaizar a Igreja Católica:
http://desatracado.blogspot.com/2017/06/1-timoteo-41-2.html
Espírito de rebeldia:
https://desatracado.blogspot.com.br/2013/11/espirito-de-rebeldia.html
(3) O Calvinismo é de origem judaica:
https://desatracado.blogspot.com.br/2015/08/o-calvinismo-e-de-origem-judaica.html
TV de Israel debocha do cristianismo:
https://desatracado.blogspot.com.br/2014/08/tv-de-israel-debocha-do-cristianismo.html

Resultado de imagem para cristãos sionistas são idiota netanyahu

          Resultado de imagem para "Minha opinião dos cristãos sionistas? Eles são ESCÓRIA, mas não diga isso a eles. Precisamos de todos os IDIOTAS ÚTEIS que podemos obter no momento." Benjamin "Bibi" Netanyahu
"Minha opinião dos cristãos sionistas? Eles são ESCÓRIA, mas não diga isso a eles. Precisamos de todos os IDIOTAS ÚTEIS que podemos obter no momento." 
Benjamin "Bibi" Netanyahu

Abraços

6 comentários:

  1. Concordo ipsis litteris, mas sugiro que abandone as idéias esquerdistas (criadas pelo judaísmo e bem comentadas nos vídeos publicados), que intrinsecamente encontram-se na ideologia nazista ou vice-versa.

    https://www.youtube.com/watch?v=MoGCPbU7OOY

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um tosco vídeo da direita kosher?!! Chama isso de fundamentação?

      Excluir
  2. Realmente preciso e milimétrico. Cada ponto levado a cabo com diligência doentia e impiedade atroz.

    As partes mais abjetas se baseiam na brutal hipocrisia, na chula dissimulação, na emética sordidez de açambarcar bajuladores "cristãos", as maiores e mais eficientes metástases contra a magnificência do Cristianismo.

    Na mesma esteira nefasta, os oligofrênicos ("cristãos sionistas", tão amados quanto repudiados por seus mestres), fazendo a defesa intransigente do status quo, muito bem doutrinados pela deseducação perpetrada pela NOM.

    Grande achado, garimpador.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. “Oremus et pro perfidis Judaeis”
      http://www.30giorni.it/articoli_id_16551_l6.htm

      Excluir
  3. Por que Paulo Leitão?
    Sugiro o vídeo. Atenção a partir do tempo 08min.

    https://www.youtube.com/watch?v=i8yogGTgRck

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala por causa da encíclica "Mit brennender Sorge"? Então é troll sionista e já foi refutado e explicada várias vezes, lhe envio duas:
      1) http://www.toedter.com.br/2017/05/o-comunismo-esta-vivo.html

      2) https://desatracado.blogspot.com.br/2016/10/a-farsa-da-compatibilidade-judaico.html

      Não assisto os vídeos dele, é sofista.

      Excluir

"Numa época de mentiras universais, dizer a verdade é um ato revolucionário."
George Orwell

"Até que os leões tenham seus próprios historiadores, as histórias de caçadas continuarão glorificando o caçador."
Eduardo Galeano

Desejando, expresse o seu pensamento do assunto exposto no artigo.
Agressões, baixarias, trolls, haters e spam não serão publicados.

Seus comentários poderão levar algum tempo para aparecer e não serão necessariamente respondidos pelo blog.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste blog.

Agradecido pela compreensão e visita.